COI se omitiu ao não impor afastamento coletivo à Rússia na Rio 2016, diz campeão britânico

quinta-feira, 28 de julho de 2016 15:57 BRT
 

Por Tony Jimenez

COVENTRY, Inglaterra (Reuters) - Os organizadores olímpicos são culpados de "tirar o corpo fora" ao decidirem não impor um afastamento coletivo aos atletas da Rússia na Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016, opinou o ex-campeão de revezamento de 4x400 metros britânico Derek Redmond.

No domingo, o Comitê Olímpico Internacional (COI) optou por não adotar a proibição geral apesar dos indícios de doping sistemático na maioria dos esportes olímpicos, o que significa que agora federações esportivas de todo o mundo precisam decidir quais russos podem competir no Brasil.

"Muitas pessoas sentem que o COI tirou o corpo fora um pouco e que não tomou posição", disse Redmond à Reuters durante uma entrevista enquanto disputava o campeonato de golfe Farmfoods British Par-3 esta semana em Nailcote Hall, perto de Coventry, na Inglaterra.

"É preciso tomar posição, estabelecer um precedente, de que não iremos tolerar isso. Lamentamos que pode haver algum dano colateral, mas... a Rússia só pode culpar a si mesma."

Redmond se consolou com o fato de que a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) manteve um impedimento à participação de toda a delegação de atletismo russa na Rio 2016, com exceção dos atletas que terão permissão de competir sob uma bandeira neutra.

"É uma decisão bastante radical e grande para se tomar", disse o ex-atleta de 50 anos, que conquistou um ouro quando a equipe de revezamento da Grã-Bretanha triunfou no Campeonato Mundial de 1991 em Tóquio.

"Acho que é a decisão certa, não pura e simplesmente do ponto de vista da punição, mas do ponto de vista da prevenção... gostaria de acreditar que não há outros países praticando este tipo de coisa, mas se estão, quando se trata do atletismo, isso mostra que a IAAF não tem medo de dizer 'um fora, todos fora'".