Secretário de Segurança do Rio faz críticas a ações antiterrorismo da PF

quinta-feira, 28 de julho de 2016 17:07 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, criticou a ação da Polícia Federal na prisão de pessoas supostamente ligadas a grupos terroristas que vem sendo realizada em todo país desde a semana passada e que já levou à cadeia ao menos 13 suspeitos.

Beltrame, que é egresso do setor de inteligência da PF, disse que se estivesse a frente da operação faria de forma diferente, sem dar maiores detalhes de como atuaria. “Eu, como operador de inteligência, agiria de maneira totalmente diferente do que estão agindo. Quem fez o trabalho tem que responder por ele, dizer o que está acontecendo, já que veio a público e cabe à instituição sanar todas as dúvidas e deixar tudo isso muito claro”, declarou.

Em recente entrevista à Reuters, Beltrame declarou que o serviço de inteligência deve sempre agir em silêncio e sem criar alardes.

“O que tem que ser esclarecido da possibilidade de pretenso terrorista para esclarecer se é ou não”, acrescentou nesta quinta.

Algumas das prisões de suspeitos realizadas vem sendo questionadas por advogados que argumentam que não há provas contundentes contra seus clientes. Esse foi o caso do último suspeito de ligação com terrorismo preso, na quarta-feira, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

O homem detido, Chaer Kalaoun, de 28 anos, é brasileiro e descendente de libaneses e foi detido devido a publicações em redes sociais consideradas suspeitas pelas autoridades brasileiras.

Beltrame disse que até agora não recebeu um relatório sobre a operação da PF que levou a prisão do jovem de origem libanesa.

“Eu não recebi as informações desse caso ainda e dessa pessoa…  Não fui informado, não sei de nada, não chegou para mim um relatório, nem informalmente”, declarou o secretário que participou de uma reunião de segurança para os Jogos olímpicos onde estavam representantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ministério da Defesa, Ministério da Justiça, comitê Rio 2016 e outros, mas sem a presença da PF.

Beltrame reforçou que as informações passadas pela Abin dão conta  de que o Brasil está muito longe de “eventos de natureza” terrorista.   Continuação...