Natação brasileira usa óculos de luz para adaptação a provas noturnas

sexta-feira, 29 de julho de 2016 08:45 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - Os nadadores do Brasil estão utilizando óculos especiais de luz para que o corpo deles se acostume a dias mais longos e assim se adapte melhor ao horário das finais das provas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a partir das 22h.  

Os óculos com uma luz passaram a ser utilizados nesta semana, durante os treinos da seleção em São Paulo, sempre no começo da noite, por cerca de 30 minutos. A partir da semana que vem, o uso passa a ser por uma hora.

“É a primeira vez que as finais vão acontecer entre 22h e 1h e está todo mundo preocupado com isso, porque a queda de desempenho pode ser muito grande”, disse a jornalistas na noite de quinta-feira o fisiologista Marco Túlio de Mello, durante treino da equipe.

“Isso nunca foi usado no esporte para atrasar um horário de sono ou a curva da temperatura corporal. Geralmente se usa em trabalhadores por turno, como piloto de avião, trabalhador da mina”, acrescentou ele, explicando que se trata de “uma luz fria, sem irradiação ultra-violeta”.

Além dos óculos, os atletas cumprem uma rotina diferente da que estão acostumados. Estão acordando mais tarde, entre 10h e 11h, almoçam por volta de 15h e treinam à noite.

“A sensação agora é igual a de quando a gente era moleque, pode ir para cama tarde, lá pelas 2h, e acordar tarde, é um sonho de criança. Para mim está sendo uma adaptação bem tranquila”, disse o nadador Nicolas Oliveira, que disputará sua terceira Olimpíada.

Segundo ele, usar os óculos dá uma sensação estranha. “É bem diferente, você tira os óculos e fica vendo verde por um tempinho ainda”, explicou.

Nicolas disse que desistiu de disputar a prova dos 200 metros livre para se concentrar no revezamento 4 x 100m livre, na qual, segundo ele, o Brasil tem boas chances de medalha.   Continuação...

 
Nadador brasileiro Bruno Fratus durante competição na Rússia.   08/10/2015       REUTERS/Hannibal Hanschke