Sul-americanos ganham força no hipismo da Rio 2016

sexta-feira, 29 de julho de 2016 18:27 BRT
 

Por Caroline Stauffer

SÃO PAULO (Reuters) - Em um esporte há tempos dominado por europeus, os cavaleiros sul-americanos estarão presentes em peso na Olimpíada do Rio de Janeiro, cujo torneio de hipismo irá acontecer no complexo de Deodoro.

Argentina, Colômbia, Venezuela, Uruguai e o anfitrião Brasil estarão representados. O Peru se classificou para a competição individual de salto pela primeira vez, assim como o Equador na prova individual do Concurso Completo de Equitação (CCE).

"É mais do que o normal... o nível aumentou tremendamente, então eles são uma força que dará trabalho no futuro", disse Sabrina Ibáñez, secretária-geral da Federação Equestre Internacional (FEI), a respeito dos cavaleiros sul-americanos.

Ibáñez afirmou à Reuters que mais sul-americanos se classificaram graças ao investimento em programas de desenvolvimento de base ao longo da última década. Ela enfatizou o belo desempenho nos Jogos Pan-Americanos do ano passado em Toronto, nos quais a Venezuela conquistou a prata no salto individual e a Argentina ficou em segundo lugar no salto por equipe, só atrás do anfitrião Canadá.

Cavaleiros da chinesa Taipé, da República Dominicana, da Palestina, do Catar e do Zimbábue farão suas estreias olímpicas, embora os favoritos venham de bastiões mais tradicionais do hipismo, como Alemanha e Grã-Bretanha.

Na Olimpíada de 2012 em Londres, a Nova Zelândia e a Arábia Saudita foram os únicos países de fora da Europa que conquistaram medalhas no esporte – bronze por equipe no CCE e salto por equipe, respectivamente.

Além da diversidade geográfica, a maior parte das delegações de hipismo de 2016 é de jovens – todos os integrantes da equipe brasileira de adestramento têm menos de 25 anos.

Com a chegada de uma nova geração, alguns veteranos notáveis estarão ausentes. O brasileiro Rodrigo Pessoa, único cavaleiro medalhista de ouro do país e porta-bandeira em 2012, é reserva na equipe de salto.

O canadense Ian Millar, detentor do recorde de participações olímpicas depois de atuar em 10 Jogos, foi impedido de competir devido a um ferimento sofrido por seu cavalo, mas sua filha, Amy, irá estrear na competição de salto.

 
Brasileiro Pedro Veniss durante Jogos de Pequim-2008. 15/8/2008.   REUTERS/Caren Firouz