Seleção feminina de vôlei dos EUA se diz mais preparada para enfrentar o Brasil

segunda-feira, 1 de agosto de 2016 15:37 BRT
 

Por Mitch Phillips

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A capitã da seleção feminina de vôlei dos Estados Unidos, Christa Dietzen, está animada com a perspectiva de jogar uma Olimpíada em um dos países mais representativos do esporte, mas como os EUA perderam as duas últimas finais olímpicas para o Brasil, existe uma certa tensão nessa demonstração de afeto.

Dietzen estava no time que derrotou as brasileiras na fase de grupos quatro anos atrás em Londres, mas foi massacrado na final, e as norte-americanas já haviam caído diante do Brasil também na decisão da medalha de ouro em Pequim.O vôlei está entre os esportes olímpicos em que o Brasil tem mais medalhas, e a disputa da modalidade na Rio 2016 promete ser um acontecimento único a partir de sábado, quando a ação tem início.

"O Rio ama o vôlei, e todas nós estamos realmente empolgadas por competir neste nível", disse Dietzen em uma coletiva de imprensa pouco após a chegada da equipe para os Jogos, nesta segunda-feira."Joguei aqui três ou quatro vezes. Os torcedores eram muito apaixonados, faziam muito barulho com seus tambores e cornetas e incentivando. Quando saí da quadra no intervalo não conseguia ouvir nem meus pensamentos"."Achei demais, e como eles têm tanto conhecimento sobre o jogo eles respeitam o bom vôlei".Dietzen, porém, não veio curtir o alto astral e voltar para casa como uma boa perdedora. Ela disse que a seleção dos EUA aprendeu as lições de 2012, quando "não foram muito exigidas" na fase de grupos e chegaram a vencer o primeiro set da final, tão somente para serem varridas por uma "tempestade brasileira"."Acho que estamos mais bem preparadas para esse desafio, e isso mudou desde 2012".A chegada de Karch Kiraly como técnico principal, depois de atuar como assistente de Hugh McCutcheon quatro anos atrás, ajudou a transformar o time em um grupo mais capaz de lidar com contratempos."Esta provavelmente será a melhor Olimpíada da história para o vôlei, já que este país é tão louco por vôlei. Será uma atmosfera incrível", disse Kiraly, medalhista de ouro em 1984 e 1988 e de vôlei de praia em 1996."O Brasil tem muitas vantagens. Tem muitos jogadores com experiência de vitória na Olimpíada, jogadores e equipe, e agora vai ser o anfitrião".

 
Jogadoras da seleção feminina de vôlei dos EUA após derrota para o Brasil na final dos Jogos Londres 2012. 11/08/2012  REUTERS/Ivan Alvarado/Files