Enxurrada de produtos piratas mobiliza polícia e organização da Rio 2016

terça-feira, 2 de agosto de 2016 18:06 BRT
 

Por Paulo Prada

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Você quer uma placa de carro olímpica? Um lenço olímpico bordado à mão? Ou que tal cocaína olímpica?

Esses e outros produtos foram apreendidos pela polícia do Rio de Janeiro em operações de repressão ao uso nada autorizado dos anéis olímpicos, dos mascotes e de outros símbolos dos Jogos antes da Olimpíada, que começa na sexta-feira.

Em um país no qual versões pirateadas de praticamente qualquer produto são facilmente encontradas, os organizadores da Rio 2016 estão lutando contra uma enxurrada de falsificações produzidas e vendidas por pessoas que querem lucrar com o frisson em torno da primeira Olimpíada sediada na América do Sul.

"São oportunistas", diz Valeria Aragão, inspetora de polícia a cargo de uma unidade antipirataria de 20 integrantes, que nas últimas semanas realizou batidas em toda a cidade, confiscando todo tipo de produto olímpico falso.

Durante uma operação recente, ele flagrou uma comerciante idosa, que havia acabado de bordar "Olimpíada 2016" em uma série de lenços, pendurando um deles na vitrine.

A unidade de narcóticos, por sua vez, chegou a apreender tijolos de maconha prensada e pacotes de cocaína que os traficantes enfeitaram com os cinco anéis olímpicos em operações recentes.

Ao longo da semana passada, a unidade policial liderada por Valeria Aragão fez batidas em barracas de ambulantes em mercados turísticos bem conhecidos de Copacabana e Ipanema e apreendeu mais de 2.300 itens que iam de canetas a chaveiros, camisetas e toalhas de praia.

"Há todo tipo de gente por aí comercializando coisas que têm pouca coisa a ver com o espírito do esporte ou os valores olímpicos", diz Sylmara Multini, diretora de licenciamento e varejo do comitê organizador Rio 2016.   Continuação...

 
Papelote de cocaína com anéis olímpicos apreendido pela polícia do Rio de Janeiro. 25/07/2016 REUTERS/Polícia do Rio de Janeiro/Divulgação via Reuters