Temer tem legitimidade para receber chefes de Estado na Rio 2016, diz Padilha

quinta-feira, 4 de agosto de 2016 12:55 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente interino Michel Temer tem legitimidade para receber chefes de Estado na abertura da Olimpíada na sexta-feira, mesmo sem ainda ter sido efetivado no cargo, afirmou o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que vê com naturalidade a possibilidade de vaias ao atual líder do país na cerimônia no Maracanã.

Chefes de Estado de vários países já começaram a chegar ao Brasil para participar da abertura oficial dos Jogos. Ainda em meio a uma situação política indefinida, um número muito menor de chefes de Estado e de governo do que o esperado inicialmente virá, com apenas 28 confirmados, e houve pouco interesse em encontros bilaterais com Temer, disseram à Reuters na quarta-feira fontes do governo.

Padilha garantiu nesta quinta-feira que não haverá nenhum tipo de constrangimento por parte de Temer, embora alguns chefes de Estado tenham evitado vir para a abertura por causa da situação política do Brasil. Temer assumiu interinamente a Presidência em maio, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff, alvo de um processo de impeachment que deve ser concluído no fim de agosto.

“Absolutamente não há nenhum (constrangimento). A Consituição da República diz que nos impedimentos do presidente da República assume o vice que passa a ser o presidente“, disse Padilha a jornalistas na abertura da Casa Brasil, na região central do Rio.

“Portanto, ele está no pleno exercício da Presidência em que pese haver a interinidade pelo afastamento da presidente titular.”

O ministro acrescentou ainda que tem ouvido de muitos congressistas manifestações de que “deverá ser sim confirmado o afastamento “da presidente Dilma Rousseff".

Dilma afirmou que iria participar da cerimônia de abertura dos Jogos, mas depois alegou que não iria para ficar numa posição secundária.

Padilha citou o escritor Nelson Rodrigues, para justificar as vaias que serão destinadas as autoridades presentes na cerimônia de abertura. O escritor cunhou a célebre frase que diz que no Maracanã se vaia até minuto de silêncio.

“Nós estamos preparados para ser o caso de ouvir a manifestação democrática, livre e aberta dos brasileiros”, disse.   Continuação...

 
Presidente interino Michel Temer no Palácio do Planalto, em Brasília. 16/05/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino