Manifestantes protestam contra Olimpíada perto do Maracanã antes de cerimônia de abertura

sexta-feira, 5 de agosto de 2016 18:37 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um grupo contrário à realização dos Jogos Rio 2016 participou de um protesto pelas ruas do entorno do estádio do Maracanã nesta sexta-feira, e a polícia usou granadas e gás de efeito moral para dispersar a manifestação, realizada horas antes da cerimônia de abertura.

Houve confusão dentro de uma padaria, que foi danificada pela entrada de manifestantes e da polícia. Um homem foi detido no tumulto. No último bloqueio perto do estádio os manifestantes desistiram de avançar e se reuniram em uma praça.

O esquema reforçado de segurança, devido à presença de dezenas de chefes de Estados e atletas do mundo inteiro, foi montado nas vias de acesso ao estádio, com a presença de homens das Forças Armadas portando fuzis.

Nos arredores do Maracanã, a uma distância de 15 minutos caminhando, manifestantes protestavam com cartazes e gritos de ordem contra os Jogos.

Manifestantes carregavam uma grande faixa preta que denunciava o que chamavam de "Jogos da exclusão", acusando as autoridades de investir na preparação Olímpica em detrimento de gastos em áreas como saúde e educação.

A Polícia Militar montou um cordão de isolamento com a cavalaria e o manifestantes não puderam avançar. Manifestantes pararam de avançar, por uns instantes, e havia representantes negociando com um oficial da polícia.

A professora Joana Souza, de 44 anos e moradora do bairro da Tijuca, levou seu próprio cartaz com a frase "Olimpíada bilionária e saúde precária".

"O povo tem que denunciar esse absurdo. Quarenta bilhões de reais na Olimpíada e não tem remédio no hospital nem professor nas escolas."

Ao mesmo tempo, havia na rua gente em defesa dos Jogos. "Sou a favor da Olimpíada, a união dos povos do mundo, vem um bando de pessoas e faz o oposto, guerra, pedra. O povo não está civilizado suficiente para ter um evento esportivo desse", disse a servidora pública Lúcia Santos, de 55 anos, moradora da Tijuca, bairro da zona norte do Rio onde está localizado o estádio.

 
Protesto nos arredores do Maracanã
05/08/2016  REUTERS/Pedro Fonseca