Com forte esquema de segurança, público enfrenta filas e barreiras no Maracanã

sexta-feira, 5 de agosto de 2016 21:04 BRT
 

Por Pedro Fonseca e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Pessoas de várias partes do mundo enfrentaram filas de até duas horas e longas caminhadas para entrar no estádio do Maracanã, nesta sexta-feira, para a cerimônia de abertura dos Jogos Rio 2016, devido a um forte esquema de segurança em que ruas ao redor da arena foram bloqueadas e grades de metal foram colocadas no entorno.

Quando a cerimônia começou, no entanto, o estádio estava praticamente lotado. As cerca de 50 mil pessoas esperadas para a cerimônia tiveram de passar por um rigoroso esquema de revista e verificações de ingressos, que tornou o acesso ao estádio bem mais demorado do que de costume, inclusive do que na final da Copa do Mundo de 2014.

"Foram quase duas horas de fila por causa do raio X e da revista, mas os 20 minutos de caminhada até conseguir chegar na entrada certa", disse o empresário paulista Fernando Alves, de 38 anos, que finalmente conseguiu entrar no estádio faltando 40 minutos para o início da cerimônia marcada para as 20h.

"A segurança é importante, mas eles deveriam ter colocado mais pessoas para fazer a revista para não demorar tanto."

Faltando cerca de 30 minutos para o início do evento, ainda havia milhares de cadeiras vazias no interior do estádio, mas a maior parte da arena estava ocupada.

Quem chegou cedo ao estádio elogiou o esquema preparado pelas autoridades. "Chegamos às 16h e não ficamos nem 20 minutos na fila. Foi muito tranquilo e a segurança estava muito boa", disse a turista chilena Patricia Alvarado, de 70 anos, que estava acompanhada do filho. "Só não gostei de ter que andar 30 minutos até a entrada."

O esquema reforçado de segurança para a abertura dos Jogos, que contará com a presença de 28 chefes de Estado, inclui até mesmo com a presença de homens do Exército operando equipamentos de monitoramento de conversas de celular e radiotransmissores para identificar eventuais conversas suspeitas.

"Podemos captar tudo. Com tanta gente importante aqui temos que ficar atentos", disse à Reuters um militar do Exército que pediu para não ser identificado.   Continuação...

 
Protesto perto do Maracanã
 05/08/2016 REUTERS/Pedro Fonseca