Expulsão de manifestantes de arenas olímpicas é criticada nas redes sociais

domingo, 7 de agosto de 2016 21:09 BRT
 

Por Daniel Flynn e Caroline Stauffer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Autoridades brasileiras, que expulsaram dos locais de competição torcedores carregando cartazes ou gritando frases contra o presidente interino Michel Temer, foram criticadas nas redes sociais neste domingo, mas organizadores da Olimpíada apoiaram essa medida.

Um vídeo de quatro agentes de segurança com boinas vermelhas e roupa de camuflagem em volta de um homem segurando um cartaz "Fora Temer" e arrastando-o para fora das arquibancadas de um evento de arco e flecha, no sábado, motivaram uma onda de críticas dos brasileiros.

"Medalha de ouro para a repressão", tuitaram várias pessoas depois da expulsão do manifestante do Sambódromo do Rio de Janeiro.

Um porta-voz de Temer disse que o governo não deu qualquer instrução relativa a cartazes políticos durante a Olimpíada. A Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) disse em comunicado que a Força Nacional de Segurança Pública foi acionada pelo público que assistia à dispura do tiro com arco, pois "o referido torcedor estava gritando durante o momento dos disparos, atrapalhando os atletas e demais torcedores".

O Brasil sedia os primeiros Jogos da América do Sul, entre uma crise política que dividiu a nação de 200 milhões de pessoas.

Temer assumiu a Presidência em maio, quando a presidenta Dilma Rousseff foi afastada e colocada sob julgamento acusada de violar leis fiscais, motivando seus apoiadores a acusarem Temer de realizar um "golpe". Dilma nega ter cometido qualquer irregularidade.

Um porta-voz do comitê organizador Rio 2016 notou que a Carta Olímpica proíbe a presença de propaganda política nos locais de competição, assim como qualquer mensagem racial ou religiosa.

"Requisitamos aos que fazem manifestações políticas nos locais de competição que não o façam. Se insistirem, serão gentilmente convidados a se retirar", disse Mario Andrada. "Este é um local para esportes. Precisam se concentrar nisso". Andrada disse que o comitê organizador estava informando ao público durante os eventos que nenhum slogan político seria tolerado.

Mark Adams, diretor de comunicações do Comitê Olímpico Internacional (COI), disse que esse tipo de incidente aparece em toda Olimpíada.