Bernardinho busca ouro olímpico em casa para coroar carreira

domingo, 7 de agosto de 2016 20:38 BRT
 

Por Stephen Eisenhammer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Bernardinho pode não ser um nome mundialmente tão famoso quanto Michael Phelps, Usain Bolt ou Rafael Nadal, mas no Brasil o técnico da seleção masculina de vôlei não consegue andar nas ruas do Rio de Janeiro sem ser parado para tirar fotos ou selfies.

Em sua nona Olimpíada, o treinador de 56 anos é o técnico de vôlei mais bem-sucedido de todos os tempos, com 30 grandes títulos. Agora, Bernardinho, que já conquistou quase tudo, tem a chance de levar o Brasil à medalha de ouro olímpica nos Jogos disputados em casa.

"Me condiciono a não pensar muito na coisa toda", disse Bernardinho após a vitória da seleção sobre o México neste domingo.

"É mais uma competição muito importante. Eu levo dia a dia", acrescentou.

Bernardinho estava na geração que conquistou a medalha de prata em Los Angeles 1984 com a seleção masculina de vôlei, mas foi como treinador que ele começou a deixar realmente sua marca no esporte.

Com passagens no comando da seleção feminina, Bernardinho, que tem um diploma de economia, acrescentou um nível de vigor, estratégia e disciplina ao vôlei brasileiro.

Com o sucesso do vôlei brasileiro, o esporte se tornou cada vez mais popular.

"Às vezes me sinto como Michael Phelps, ou como aqueles jogadores da NBA, ou Nadal", disse Bernardinho sorrindo, ao comentar o quanto é parado para fotos na rua.

No Maracanãzinho, onde as partidas de vôlei estão sendo disputadas, Bernardinho tem um truque para evitar que policiais e voluntários que pedem uma foto com ele acabem tendo problemas.

"Diga (ao seu chefe) que fui eu que pedi", conta.

 
Bernardinho
 07/08/2016 REUTERS/Marcelo del Pozo