Governos de Brasil e Argentina vão discutir relação entre torcidas na Rio 2016

terça-feira, 9 de agosto de 2016 17:52 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Autoridades dos governos do Brasil e da Argentina vão se reunir na quarta-feira no Rio de Janeiro para conversar sobre a relação entre as torcidas dos dois países durante os Jogos Olímpicos, depois que a rivalidade entre os arquirrivais esportivos resultou em uma briga na arquibancada do tênis.

Participarão do encontro o secretário de Esporte de Alto Rendimento do Brasil, o ex-nadador olímpico Luiz Lima, e o subsecretário de Esporte de Alto Rendimento da Argentina, Orlando Moccagatta.

“O objetivo é estimular a boa convivência entre argentinos e brasileiros durante os Jogos Rio 2016”, informou o governo brasileiro em nota nesta terça-feira.

O encontro foi agendada depois que dois torcedores levaram a rivalidade Brasil x Argentina às vias de fato durante partida de tênis entre o argentino Juan Martín Del Potro e o português João Sousa na quadra central do Complexo Olímpico de Tênis, na segunda-feira.

Com o apoio em peso da torcida brasileira ao tenista português, inclusive com muitas vaias a Del Potro e a qualquer tentativa da torcida argentina de incentivar seu tenista, o clima esquentou quando um argentino se levantou para tirar satisfações com um brasileiro.

Após trocarem provocações, os dois se socaram, sem que ninguém da segurança ou da organização se aproximasse para intervir. Somente após alguns minutos homens da Força Nacional de Segurança chegaram ao local e retiraram os dois da arquibancada.

Atletas e equipes da Argentina têm sido os principais alvos das vaias e provocações da torcida brasileira nos Jogos, em todas as modalidades.

Durante jogo de futebol no Estádio Olímpico no domingo entre Argentina e Argélia, a equipe argentina foi insistentemente vaiada pelo público, e uma música criada na Copa do Mundo de 2014 que exalta Pelé e critica Maradona foi cantada a plenos pulmões.

(Por Pedro Fonseca)

 
Torcida argentina em partida de rugby em Deodoro
 09/08/2016 REUTERS/Alessandro Bianchi