Segurança da Olimpíada é reforçada; homens da Força Nacional são atacados em favela

quarta-feira, 10 de agosto de 2016 21:51 BRT
 

Por Daniel Flynn e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A segurança na área ao redor do Parque Olímpico foi reforçada nesta quarta-feira depois de um ônibus com jornalistas ter sido alvejado e homens da Força Nacional de Segurança ficarem feridos por tiros disparados de dentro de uma favela perto do aeroporto internacional do Rio, aumentando as preocupações com a questão da violência na Olimpíada.

O carro da Força Nacional de Segurança (FNS) errou o caminho e entrou em uma via de acesso à favela Vila do João, nos arredores da Linha Amarela, e foi recebido a tiros, de acordo com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que chamou o incidente de "ataque lamentável e covarde".

Uma das vítimas foi levada a um hospital em estado grave e precisou ser operada, e as outras duas foram feridas com menos gravidade, de acordo com o ministro. A Força Nacional foi enviada ao Rio como parte do esquema de segurança da Olimpíada, que no total conta com 85 mil homens entre policiais e militares das Forças Armadas.

"Nós temos em relação ao soldado um ferimentro grave... Ele está sendo operado, o neurologista já está há quase duas horas operando, fazendo a transfusão de sangue necessária, nós acreditamos e temos fé que ele vai sobreviver", disse o ministro a repórteres antes de uma reunião da cúpula de segurança da Olimpíada, pouco após o incidente.

"Nós já estamos, com as nossas forças de inteligência, identificado as pessoas. Duas pessoas já foram identificadas e vamos atuar para prender essas pessoas rapidamente", acrescentou o ministro.

Uma série de casos de violência urbana durante os Jogos vem causando preocupações crescentes, e a polícia também investiga dois casos de bala perdida que atingiram o centro de hipismo em Deodoro, uma na área de imprensa e outra perto do estábulo.

INCIDENTE COM ÔNIBUS   Continuação...

 
Agentes de segurança na arena de hipismo, em Deodoro. 10/08/2016. . REUTERS/Tony Gentile