Lochte ainda não pensa em se aposentar das piscinas após Rio 2016

sexta-feira, 12 de agosto de 2016 10:18 BRT
 

Por Joshua Schneyer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A última prova individual de Ryan Lochte na Olimpíada do Rio de Janeiro, e possivelmente de sua carreira olímpica, não terminou como ele gostaria.

Se isso é motivação suficiente para seu corpo aguentar mais quatro anos e competir nos Jogos de Tóquio 2020 é algo que ainda está em aberto.

"Não posso dizer que é o fim. Se essa prova serviu para alguma coisa, foi para ajudar a me motivar", disse o nadador de 32 anos a repórteres depois de chegar em quinto lugar, bem atrás do também norte-americano Michael Phelps, na final dos 200 metros do medley.

"Há muitas coisas que preciso mudar nos próximos quatro anos se quiser voltar ao esporte", acrescentou.

O desempenho de Lochte no Rio ficou bem abaixo da grande exibição que ele esperava, especialmente tendo em conta que se tratou de seu único evento individual em sua quarta Olimpíada.

Quando tocou a parede na quinta-feira, ele estava quase três segundos atrás do vencedor Phelps.

Lochte, que chegou a liderar por 0seg01 na metade da prova e ocupar a terceira colocação após o nado peito, teve dificuldade na volta final de estilo livre e terminou o evento sem uma medalha olímpica pela primeira vez.

Ele conquistou a prata em 2004 e 2012 e o bronze em Pequim em 2008. Phelps levou o ouro em todas essas ocasiões.

"Sempre competimos um com outro, ele é um dos melhores, não nadadores, mas atletas da Olimpíada".

Enfrentar esse desafio foi em parte responsável pelo sucesso de Lochte como um dos maiores nadadores de todos os tempos. Ele tem 12 medalhas olímpicas, seis delas de ouro, e só fica atrás de Phelps como o nadador mais bem-sucedido da história dos Jogos.

 
Ryan Lochte na final dos 200m medley na Rio 2016. 10/08/2016 REUTERS/Michael Dalder