Tensão com China irrompe em exibição de badminton da Rio 2016 em Hong Kong

sexta-feira, 12 de agosto de 2016 16:02 BRT
 

Por Venus Wu e Brnda Goh

HONG KONG/RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ativistas pró-democracia de Hong Kong protestaram com bastante barulho durante a exibição em um telão de um jogo de badminton entre Hong Kong e China na Olimpíada do Rio de Janeiro nesta sexta-feira em Hong Kong, no sinal mais recente das tensões crescentes resultantes do controle de Pequim.

"Destruam a China! Somos Hong Kong!", entoou um grupo de cerca de 100 pessoas enquanto assistia aos chineses Zhang Nan e Zhao Yunlei enfrentarem a dupla de Hong Kong Chau Hoi-wah e Reginald Lee na partida preliminar de duplas mistas.

Foi a primeira vez em que o sentimento anti-China presente em Hong Kong transbordou tão explicitamente para o palco olímpico. Atletas olímpicos da China continental costumam ser populares no antigo território britânico.

A transmissão ao vivo foi organizada por três grupos, incluindo o Hong Kong Indigenous, que advoga a independência de Hong Kong, território transferido para o governo chinês em 1997.

Ativistas e torcedores se sentaram diante de um telão em Mongkok, bairro comercial movimentado que foi o cenário de alguns dos confrontos mais violentos entre a polícia e manifestantes durante passeatas pró-democracia em 2014.

O clima nesta sexta-feira era tranquilo, e a multidão se dispersou sem incidentes após a partida, vencida pela dupla chinesa.

"O povo de Hong Kong despertou e não pensa mais que é chinês. Isso porque Hong Kong vem sendo cada vez mais oprimido por Pequim", disse o organizador do evento Simon Sin.

No Rio, Chau disse que o esporte não deveria ser politizado. "Somos todos amigos da China... e acho que as pessoas deveriam saber que o esporte não tem a ver com política", afirmou o representante de Hong Kong à Reuters. "Competimos, mas competimos só na quadra".