12 de Agosto de 2016 / às 19:12 / em um ano

Torcedores improvisam para acompanhar vôlei de praia do Brasil em Copacabana

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Famílias, aposentados e casais jovens usando camisas do Brasil torciam pela equipe feminina de vôlei de praia que competia na praia de Copacabana nesta sexta-feira.

Torcedores do lado de fora da arena de vôlei de praia em Copacabana. 11/08/2016 REUTERS/Alexandra Ulmer

O detalhe é que a plateia não vibrava de dentro da imponente arena de 12 mil lugares, mas reunida em um grande monte de areia na praia que lhe permitia ver um pedaço da arena e ouvir a música e os apitos do árbitros, enquanto acompanhava a ação em um telão à sua frente.

A multidão não conseguia ver o jogo em si, mas o grupo de brasileiros apinhados a poucos metros das ondas do mar absorvia o clima eletrizante do mesmo jeito.

“Aqui eu não pago nada!”, ria o metalúrgico aposentado Aluisio Marcelino da Silva, que mora no bairro de Copacabana, ponto de convergência de banhistas de todas as classes econômicas.

Embora contente com o fato de sua cidade estar sediando a Olimpíada de 2016, ele lamentou que os ingressos para ver a dupla brasileira formada por Ágatha e Bárbara estivessem fora de seu alcance.

Assim como ele, outros brasileiros sem entradas recorreram ao “jeitinho” para sentir um pouco da experiência em Copacabana.

Maria Luiza Santos, por exemplo, contornou a arena, tirou os chinelos e assistiu à partida no telão instalado dentro da estrutura.

“É muito bom aqui, com a praia, essa brisa de Copacabana”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below