Após Rio, cidades candidatas aos Jogos Olímpicos querem fazer evento compacto

sexta-feira, 12 de agosto de 2016 19:04 BRT
 

Por Scott Malone

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul ainda estão longe de acabar, mas as cidades que disputam o evento de 2024 já aprenderam uma lição clara no Rio: nem tente organizar os Jogos abrangendo toda a cidade.

Os organizadores no Rio montaram instalações esportivas para cima e para baixo na sua notável orla, se aproveitando das praias e montanhas, como também levaram novas vias, infraestrutura e visitantes para diversas partes da cidade.

No entanto, isso apresentou grandes dores de cabeça em termos de transporte, especialmente nos primeiros dias dos Jogos, e tem sido responsabilizado pelas porções de assentos vazios nos eventos. Mesmo os ônibus olímpicos oficiais demoravam até duas horas para chegar aos seus destinos, apesar de usar vias especiais.

O comitê de Paris, uma das quatro cidades competindo pelos Jogos de 2024, debatia os benefícios de levar os Jogos a mais partes da capital francesa. Mas até eles chegarem ao Rio.

Observar os desafios do deslocamento de milhares de atletas, imprensa e torcedores entre instalações distantes ajudou a convencer alguns na equipe de Paris que não tinham certeza sobre onde construir um novo centro aquático.

Alguns no comitê queriam construí-lo longe do estádio olímpico e da vila dos atletas, concentrados no norte da cidade, para espalhar os benefícios dos Jogos de maneira mais abrangente. A ideia evaporou no Rio, de acordo com Etienne Thobois, executivo-chefe do comitê para a Olimpíada em Paris em 2024.

"Nós ficávamos falando para eles que nós queremos coisas compactas”, disse Thobois sobre o centro aquático, a única grande instalação a ser construída do zero, a um custo de 68 milhões a 90 milhões de dólares, no subúrbio parisiense de Saint-Denis.

"Eles estavam numa linha política, eles estavam pensando que talvez uma outra área seria melhor. Agora eles experimentaram isso e se deram conta do que eles têm de fazer, porque fica óbvio quando você vive os Jogos”, disse.   Continuação...