Brasil precisa dar salto para atingir meta de medalhas após decepções na largada

sábado, 13 de agosto de 2016 16:28 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O fracasso do judô em alcançar a meta de pódios, o desempenho morno da natação que pela primeira vez deve passar em branco numa Olimpíada desde 2004 e a não concretização de esperadas vitórias inéditas em esportes como tênis e tiro com arco deixaram o Brasil em baixa na primeira semana da Rio 2016 e sob risco de não conseguir cumprir o objetivo estabelecido para os Jogos em casa.

Desde que conquistou um recorde de pódios em Londres 2012 com 17 medalhas (3 de ouro, 5 de prata e 9 de bronze), o Time Brasil tem como objetivo aumentar esse número na Rio 2016 para ficar pela primeira vez entre os 10 primeiros colocados no total de medalhas de uma Olimpíada.

No entanto, com apenas quatro pódios na primeira semana (1 ouro, 1 prata e 2 bronzes), o Brasil vai precisar de um grande salto no número de medalhas na segunda semana da Olimpíada para atingir a meta do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Em Londres, por exemplo, a Itália terminou em 10º lugar com 28 pódios.

A maior frustração do Brasil nos primeiros dias de Olimpíada veio do judô, modalidade em que o país mais subiu ao pódio em Jogos Olímpicos, mas que justamente em casa não conseguiu alcançar a meta de superar as quatro medalhas de Londres.

A campeã em 2012 Sarah Menezes, a três vezes medalhista em mundiais Érica Miranda e os também medalhistas olímpicos Tiago Camilo e Felipe Kitadai eram nomes cotados para o pódio que não se concretizaram, e a modalidade encerrou sua participação com três medalhas (1 ouro e 2 bronzes).

"A gente poderia ter contribuído com mais medalhas, tínhamos potencial para isso, mas se chegou onde foi possível chegar", reconheceu o gestor de alto rendimento da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Ney Wilson.

A expectativa da natação era bem menor, especialmente após a não classificação do campeão olímpico Cesar Cielo, mas ninguém esperava que os nadadores do país saíssem de mãos abanando da piscina olímpica do Rio.

As principais esperanças eram Thiago Pereira, prata em Londres nos 400m medley, e Bruno Fratus, mas ambos não conseguiram sequer repetir os melhores tempos de suas carreiras nos 200m medley e 50m livre, respectivamente, e terminaram fora do pódio.   Continuação...

 
Sarah Menezes durante competição de judô na Rio 2016.  06/08/2016.  REUTERS/Toru Hanai