Rio 2016 diz que água verde em piscinas foi causada por uso de peróxido de hidrogênio

sábado, 13 de agosto de 2016 18:31 BRT
 

Por Brenda Goh

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A água verde nas piscinas do Parque Aquático Maria Lenk, que deixou alguns atletas com olhos ardendo e foi alvo de muitas críticas, foi resultado do despejo não planejado de peróxido de hidrogênio na água, afirmou neste sábado o comitê organizador Rio 2016.

Uma empresa terceirizada despejou 80 litros da substância nas piscinas de polo aquático e saltos ornamentais na sexta-feira, mas os organizadores disseram que só perceberam isso na terça-feira, quando a água na piscina de saltos ficou verde durante a final feminina da plataforma de 10 metros.

De acordo com o comitê organizador, a adição de peróxido de hidrogênio neutralizou o cloro e fez com que algas florescessem, deixando a água verde.

“Essa é uma maneira de limpar piscinas, mas você não deve usar junto com cloro”, disse Gustavo Nascimento, diretor de instalações do comitê Rio 2016. “Não fomos consultados, mas a falha do nosso fornecedor é falha nossa.”

As piscinas verdes se tornaram uma grande dor de cabeça da organização e motivo de piadas sobre o “pântano” pelos espectadores no local e pelas pessoas que acompanhavam na televisão. Alguns jogadores de polo reclamaram de ardência nos olhos.

O sistema de monitoramento eletrônico das piscinas do Maria Lenk estava funcionando, mas foi “enganado” pela reação química e não acusou o problema, disse Nascimento. O fato de 120 atletas estarem usando a piscina também aumentou a quantidade de substâncias orgânicas na água, acrescentou.

Para tratar a água, que segundo a organização não oferece risco aos atletas, os técnicos estão tentando estabilizar os produtos químicos e adensar as algas para retirá-las, mas estão correndo contra o tempo.

Nascimento afirmou que o processo de retirada e substituição da água da piscina maior durará 10 horas e será feita para as competições de nado sincronizado, nas quais as competidoras precisam ver umas às outras.   Continuação...

 
Patrick Hausding, da Alemanha, na piscina de saltos ornamentais da Rio 2016. 13/08/2016  REUTERS/Marcos Brindicci