Rússia afirma que "provocação" contra Klishina pode não ter sido a última

domingo, 14 de agosto de 2016 13:45 BRT
 

MOSCOU (Reuters) - O ministro dos Esportes da Rússia, Vitaly Mutko, disse neste domingo que a suspensão da atleta do salto em distância Darya Klishina dos Jogos do Rio de Janeiro pode não ter sido a "última provocação" contra esportistas russos, segundo a agência de notícias TASS.

O anúncio sobre Klishina, atleta de 25 anos que competiu em regime de exceção enquanto o resto da equipe de atletismo da Rússia foi suspensa dos Jogos pela Associação de Federações Internacionais de Atletismo (Iaaf), surgiu três dias antes dela competir.

A Iaaf não explicou a decisão. Uma fonte familiarizada com o assunto disse que a suspensão tem relação com novas evidências descobertas em uma investigação antidoping sobre denúncias de que a Rússia comandou um esquema sistemático de doping, apoiado pelo Estado.

"Posso dizer que esta talvez não seja a última provocação. Não tenho palavras. Foram eles que permitiram que ela disputasse os Jogos. Isso são provocações, feitas de propósito. Nosso objetivo agora é o esporte russo", disse Mutko ao TASS.

Klishina defendeu-se, dizendo que estava limpa e apelando contra a decisão na Corte Arbitral do Esporte, que deve tomar sua decisão na segunda-feira, na véspera da classificação feminina do salto em distância.

A Iaaf barrou toda a equipe de atletismo da Rússia da Olimpíada do Rio de Janeiro em resposta às denúncias de doping. Klishina estava entre os 136 atletas russas que apelaram da decisão e havia sido a única que recebeu a permissão de competir no Rio.

 
Saltadora russa Darya Klishina compete durante Mundial de Atletismo de 2015 em Pequim
27/08/2015 REUTERS/Phil Noble/Foto de Arquivo