Queniana Sumgong desvia de manifestante para vencer a maratona olímpica

domingo, 14 de agosto de 2016 16:12 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A queniana Jemima Jelagat Sumgong desviou de um manifestante que invadiu o trajeto da maratona dos Jogos do Rio, neste domingo, para se tornar a primeira mulher do seu país a vencer a medalha de ouro olímpica, com o tempo de 2h24min04s.

Eunice Jepkirui Kirwa, do Barein, ficou com a prata, com 2h24min13s, e a etiópia Mare Dibaba levou o bronze, com 2h24min30s.

Sumgong, 31 anos, disse que o homem que invadiu o trajeto fez com que ela se lembrasse da Maratona de Londres, em abril, quando passou por uma experiência parecida.

"Eu me lembrei de Londres, foi para lá que meus pensamentos foram", disse Sumgong. "Eu fiquei com medo, talvez estivesse em perigo".

Não ficou imediatamente claro se o homem, que pulou uma barreira de metal, foi preso nem qual era sua motivação ao invadir o trajeto da maratona pelas ruas do Rio de Janeiro.

Na Olimpíada de Atenas, em 2004, o padre irlandês Neil Horan derrubou o brasileiro Vanderlei Cordeiro de Lima a poucos quilômetros da linha de chegada, tirando-o da liderança.

Vanderlei, que terminou a prova em terceiro lugar, foi o responsável por acender a pira olímpica na cerimônia de abertura da Rio 2016, em 5 de agosto.

 
Maratonista Jemima Sumgong, do Quênia, campeã no Rio.     REUTERS/Johannes Eisele/Pool