Comitê Rio 2016 vai recorrer de bloqueio da Justiça a repasse de verbas públicas

domingo, 14 de agosto de 2016 16:22 BRT
 

Por Daniel Flynn

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os organizadores dos Jogos Rio 2016 anunciaram neste domingo que irão recorrer de uma decisão da Justiça que impede o Comitê Rio 2016 de receber recursos públicos, mas insistiram que terão os recursos necessários para concluir com sucesso a Olimpíada e realizar a Paralimpíada do mês que vem.

A juíza Marcia Maria Nunes determinou na noite de sexta-feira que os governos federal e municipal não poderão destinar 270 milhões de reais prometidos para ajudar a pagar pelas cerimônias de abertura e encerramento da Olimpíada e da Paralimpíada.

"Podemos garantir que vamos responder de acordo com os instrumentos legais que temos amanhã cedo", disse o diretor de Comunicação da Rio 2016, Mario Andrada.

A decisão da juíza também impede que os organizadores façam qualquer pagamento com recursos públicos sob pena de pagamento de multa de 100 mil reais por dia.

Andrada se recusou a dizer se o dinheiro prometido já foi recebido e gasto pelo comitê, citando que o caso está na Justiça. Ele disse que existem negociações em andamento com o governo sobre financiamento.

"Seguimos convencidos da vontade do governo de nos apoiar quando precisarmos e temos negociações com patrocinadores que nos permitirão terminar os Jogos sem dívidas, e estarmos prontos para realizar a Paralimpíada no mesmo nível", disse Andrada.

O comitê organizador Rio 2016 reconheceu que a falta de recursos obrigou a redução de gastos para a primeira Olimpíada realizada na América do Sul.

Os organizadores também precisaram que o Comitê Olímpico Internacional (COI) fizesse algumas de suas contribuições financeiras meses antes do inicialmente planejado.

O diretor-executivo do COI, Christophe Dubi, disse que os organizadores tem um fundo de contingência para cobrir imprevistos, mas disse que a venda de ingressos, que está na casa de 100 mil por dia, vai ajudar na situação financeira dos Jogos.

 
Lona com logo da Rio 2016 no Estádio Aquático Maria Lenk. 10/08/2016 REUTERS/Kai Pfaffenbach