Saiu um caminhão das minhas costas, diz Diego Hypólito após prata

domingo, 14 de agosto de 2016 17:45 BRT
 

Por Tatiana Ramil

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Diego Hypólito se sentiu mais leve depois que finalmente conseguiu subir ao pódio em uma Olímpiada, superando quedas dolorosas nos últimos dois Jogos Olímpicos, e destacou sua persistência para conquistar o que chamou de sonho na Rio 2016.

"Quando eu saí dali (tablado), parece que saiu um caminhão das minhas costas porque era minha terceira Olimpíada, com 30 anos", disse ele a jornalistas neste domingo depois de terminar em segundo lugar na prova de solo, logo à frente do também brasileiro Arthur Nory, que ficou com o bronze.

"É uma sensação maravilhosa, inexplicável. Nunca desistam do sonho de vocês", acrescentou, com a medalha de prata no peito.

Campeão do mundo no solo em 2005 e 2007, Diego acumulava decepções em Jogos Olímpicos, com falhas graves em Pequim 2008 e Londres 2012, quando era considerado um dos favoritos. "Quando eu caí de bunda e de cara, me senti extremamente humilhado", admitiu.

Foi necessário um trabalho psicológico para que o ginasta, também prejudicado por lesões, voltasse o foco novamente para o esporte.

"Já aconteceu de tudo comigo, já tive depressão, já fui internado, voltei a ser medalhista em mundial. Foram muitos altos e baixos e isso mostra que todos nós temos o direito de errar", afirmou.

"Na última acrobacia me veio o filme de Pequim e nessa hora eu pensei: ´você treinou, você se dedicou, não deixa o seu trabalho ir por água abaixo, vai lá e faz´".

Diego foi o segundo a se apresentar na final do solo na Arena Olímpica do Rio, logo após o japonês Kohei Uchimura, atual campeão olímpico do individual geral, que teve uma falha ao sair do tablado. Com a nota de 15.533, o brasileiro achou que não iria conquistar medalhas, mas estava satisfeito com o desempenho.   Continuação...

 
Diego Hypólito beija medalha de prata conquistada na Rio 2016. 14/08/2016 REUTERS/Mike Blake