Do pódio para o treino, Isaquias começa com prata busca por trinca inédita de medalhas

terça-feira, 16 de agosto de 2016 13:13 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Primeiro medalhista olímpico brasileiro da história da canoagem velocidade, Isaquias Queiroz mal havia deixado o pódio e já estava preocupado com o horário para voltar a treinar nesta terça-feira, em busca de mais duas medalhas na Rio 2016.

Se conseguir o feito, será o único atleta do Brasil com três medalhas em uma mesma Olimpíada. "Meu treinador já deve estar louco me esperando para eu ir para a água", disse o canoísta baiano, de 22 anos, que chegou em segundo lugar na final da prova individual de 1.000 metros (C1 1.000) sob sol forte na Lagoa Rodrigo de Freitas nesta manhã. O atleta ficou atrás do alemão agora bicampeão olímpico Sebastian Brendel.

De origem humilde e descoberto para o esporte em um projeto social em sua cidade natal, Ubaitaba, na Bahia, Isaquias despontou internacionalmente ao ser campeão mundial júnior em 2011, e agora se consagrou como medalhista olímpico com o ajuda do técnico espanhol Jesus Morlán, um dos maiores nomes do mundo na canoagem velocidade, com cinco medalhas olímpicas no currículo de treinador.

O canoísta, bicampeão mundial nos 500 metros (prova não olímpica) em 2013 e 2014, ainda vai disputar no Rio mais duas competições nos Jogos do Rio, a individual de 200 metros (C1 200), com eliminatórias já na quarta-feira, e os 1.000 metros em dupla (C2 1.000), na sexta, ao lado de Erlon de Souza, com expectativa de pódio nessas duas provas.

"Eu vim para cá para fazer história, então a história vai ser escrita e está sendo escrita já com a primeira medalha do Brasil", disse Isaquias, que no Rio contou pela primeira vez na carreira com o apoio da mãe na arquibancada de uma competição.

"Ela mora na Bahia, então é difícil. Foi a primeira vez que ela andou de avião", contou.

Em sua estreia olímpica Isaquias brigou de perto com o alemão Brendel desde o início, inclusive tendo assumido a ponta em alguns momentos, e disse que precisou controlar o ritmo na parte final da prova para assegurar a presença no pódio quando viu que não dava mais para chegar à vitória.

Segundo o canoísta, uma de suas preocupações para os Jogos Olímpicos é o fato de ter treinado ao longo do ano para três provas diferentes, cada uma com foco diferente, por isso precisa voltar logo para a água nesta terça para trocar a forma de remada da prova mais longa, de resistência, para a mais curta, de explosão.   Continuação...

 
Isaquias Queiroz comemora vitória de medalha de prata
16/08/2016 REUTERS/Damir Sagolj