16 de Agosto de 2016 / às 22:12 / um ano atrás

CURTAS-Rafaela Silva vai ao Maracanã, exibe medalha e é ovacionada pela multidão

Rafaela Silva mostra medalha de ouro após entrevista coletiva no Espaço Time Brasil. 09/08/2016Nacho Doce

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A judoca campeã olímpica Rafaela Silva foi ao estádio do Maracanã torcer pela seleção feminina de futebol nesta terça-feira, e demorou a ser reconhecida pelos torcedores.

Rafaela estava na tribuna, e a torcida só percebeu a presença dela ao final do tempo normal, quando então começou a gritar "é campeã". A judoca exibiu a medalha de ouro e foi ovacionada.

Alguns torcedores, então, se aproximaram e tiraram fotos com a atleta carioca.

FILAS NO MARACANÃ LOTADO

O público sofreu com as longas filas e o forte calor no Maracanã antes da partida do Brasil contra a Suécia, pela semifinal da Olimpíada. As filas começavam na estação do metrô e se estendiam pelo entorno do estádio.

Algumas pessoas deixaram para chegar ao jogo em cima da hora, mas também havia um problema de poucas informações ao público e demora na checagem das bolsas no acesso ao estádio.

“Isso é um absurdo. Muita gente não vai conseguir ver o primeiro tempo. Faltou organização. Eu estou aqui e meu pai que pagou caro por um ingresso está lá fora sem saber quando vai conseguir entrar”, disse à Reuters o guia de turismo André Nascimento.

O que se viu nesta terça-feira, além da derrota do Brasil nos pênaltis, foi um Maracanã com muitos lugares vazios no primeiro tempo e com um público final de 70.454 pessoas.

"VAI JUIZ"

Os atletas brasileiros têm recebido grande apoio da torcida local durante os eventos da Rio 2016, mas a ovação que o brasileiro Jones Kennedy do Rosário recebeu da torcida no Riocentro, onde são disputadas as lutas de boxe, não é algo comum em arenas esportivas. Rosário é juiz.

Ele comandou o combate entre o britânico Joshua Buatsi e o cazaque Adilbek Niyazymbetov, na categoria até 81 kg, e foi mais aplaudido que os dois pugilistas que lutavam por uma vaga na final olímpica da categoria.

Gritos de "juiz, juiz", "Rosário, Rosário" e "Rosário é sinistro" incentivaram o árbitro, que talvez seja o único de seus colegas que tenha sido homenageado pela torcida brasileira em algum tempo, já que o normal é uma acolhida nada calorosa aos árbitros esportivos.

Por Tatiana Ramil, Rodrigo Viga Gaier, Eduardo Simões e Caio Saad

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below