Remador da Bulgária nega acusação de agressão a camareiras na Vila Olímpica

quarta-feira, 17 de agosto de 2016 09:48 BRT
 

SÓFIA (Reuters) - O remador búlgaro Georgi Bozhilov voltou para casa nesta quarta-feira, depois de participar da Olimpíada do Rio, negando ter agredido camareiras na Vila Olímpica, no que contou com o apoio da delegação da Bulgária.

A polícia acusou o atleta de 27 anos, que terminou em nono lugar na prova masculina de skiff duplo com o colega de equipe Kristian Vasilev, de agredir as camareiras com um cabo de vassoura e sufocar uma delas.

Bozhilov e a delegação búlgara negaram ter havido qualquer confronto físico, mas disseram ter desconfiado dos funcionários locais da Vila Olímpica por terem sido vítimas de roubos repetidos de pertences pessoais.

Bozhilov afirmou que ele e Vasilev pediram às camareiras que saíssem porque não as queriam no local.

"Várias empregadas estavam sentadas no nosso quarto, era óbvio que não estavam se preparando para limpar, e eu lhes pedi para sair", disse Bozhilov à rede Nova TV da Bulgária pouco depois de sua chegada.

"Elas só falam português, e tentamos lhes mostrar que queríamos que elas saíssem do quarto usando gestos."

Ele negou ter recorrido à força física.

"Pouco tempo depois disso, uma das mulheres se queixou à administração do bloco de que havia sido 'submetida a uma agressão', o que não correspondeu à verdade", disse a delegação em um comunicado.

Bozhilov e Vasilev não foram presos e tiveram permissão de voltar para seu país.

(Por Angel Krasimirov)