Incidente no Rio pode prejudicar parcerias comerciais de Ryan Lochte

sexta-feira, 19 de agosto de 2016 08:58 BRT
 

Por Liana B. Baker e Scott Malone

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Na semana posterior à conquista de seu sexto ouro olímpico, nos Jogos Rio 2016, o nadador norte-americano Ryan Lochte deveria estar dando uma volta da vitória e capitalizando seu desempenho com novos acordos de patrocínio.

Ao invés disso, um dos nadadores mais condecorados dos Estados Unidos está sendo acusado pela polícia do Brasil de ter inventado uma história sobre um assalto à mão armada para acobertar seu mau comportamento em um posto de gasolina.

A denúncia não poderia chegar em um momento pior para o atleta de 32 anos. Um de seus patrocinadores, a empresa de trajes de natação Speedo, disse estar monitorando a situação. Já a fabricante de colchões Airweave ainda está tentando entender o que aconteceu.        

"Lamento por Ryan, não estou a par da situação e nossa posição não irá mudar neste momento", disse o diretor-executivo da Airweave, Motokuni Takaoka, à Reuters.

Depois que o caldeirão olímpico é apagado, os medalhistas de ouro têm um período curto para transformar a fama em lucro comercial.

"Essa janela de oportunidade que você tem para aproveitar sua celebridade e seu status é bem pequena, falando de forma realista, são semanas", disse Jim Andrews, vice-presidente sênior da empresa de gerenciamento de patrocínios IEG.

Lochte disse que ele e três colegas de equipe foram assaltados por homens armados no começo do domingo, quando saíam de uma festa para retornar à Vila Olímpica. A polícia refutou esta versão dos eventos, acusando Lochte e outros de mentirem.

Lochte voltou aos EUA na segunda-feira, antes de as autoridades agirem para impedir os quatro nadadores de deixarem o Brasil durante a investigação do incidente – exatamente o tipo de escândalo de grande repercussão que o país esperava evitar enquanto sedia os primeiros Jogos Olímpicos realizados na América do Sul.     

Entre os patrocinadores de Lochte está um pequeno contingente de empresas norte-americanas. Além da Speedo e Airweave, elas incluem a Marriott International  e a Ralph Lauren Corp, de acordo com o site do nadador.

Não foi possível fazer contato com representantes da Marriott Rewards e da Ralph Lauren na quinta-feira para obter comentários. O agente de Lochte, Lowell Taub, da CAA, tampouco foi encontrado para comentar.

 
Nadador norte-americano Ryan Lochte após final dos 200 metros medley na Rio 2016
12/08/2016 REUTERS/David Gray