Mentira de nadadores norte-americanos toca em ferida aberta de brasileiros

sexta-feira, 19 de agosto de 2016 21:04 BRT
 

Por Daniel Flynn e Brad Brooks

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quando um grupo de brasileiros irritado vaiou os nadadores norte-americanos campeões olímpicos Gunnar Bentz e Jack Conger, os chamando de mentirosos e dando um peteleco na orelha de um deles, os jovens atletas pareceram chocados com a reação raivosa.

Do que eles pareceram não se dar conta foi que a história inventada sobre como eles e dois colegas de equipe haviam sido assaltados e ameaçados com um arma --supostamente contada para encobrir um ato de vandalismo em um posto de gasolina do Rio– tocou em uma ferida aberta no Brasil.

O brasileiro, apesar de profundamente orgulhoso do país, sabe perfeitamente dos seus problemas: corrupção, pobreza e violência, entre outros. E normalmente olha para os Estados Unidos com uma mistura de respeito, admiração, inveja e ressentimento.

A relação complicada já levou a episódios envolvendo norte-americanos que desafiaram a lei brasileira, provocando indignação. O escândalo dos nadadores se encaixa na visão típica brasileira dos “norte-americanos desagradáveis”.

“O Brasil é um país que já tem um complexo de inferioridade quando o assunto é os Estados Unidos”, afirmou Esther Solano, uma socióloga da Universidade Federal de São Paulo, em visita ao Rio para os Jogos.

"Então as pessoas se sentem vulneráveis e irritadas quando norte-americanos vêm aqui e agem como se pudessem fazer o que quisessem, sem respeito pelas leis ou pelas pessoas.”

Em 2009, quando o Brasil foi escolhido para sediar os Jogos, a economia estava indo muito bem. O então presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que o fato mostrava que o Brasil havia se tornado um país de “primeira classe”.

No entanto, os preparativos para os Jogos foram afetados por uma grave crise política e pela pior recessão econômica das últimas décadas, agravada pelas investigações de corrupção da operação Lava Jato, além das críticas sobre o fracasso em limpar a Baía de Guanabara.   Continuação...

 
Cinegrafista grava posto de gasolina onde nadadores dos EUA teriam se envolvido em confusão. 18/08/2016 REUTERS/Nacho Doce