Argentina fecha Olimpíada "maravilhosa" com melhor desempenho em quase 70 anos

domingo, 21 de agosto de 2016 14:16 BRT
 

Por Marcelo Androetto

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Para o esporte da Argentina, o Rio de Janeiro merece mesmo o rótulo de "Cidade Maravilhosa". O desempenho do país sul-americano no quadro de medalhas (três ouros e uma prata) é o melhor em uma Olimpíada desde Londres 1948.

A seleção masculina de hóquei sobre grama, a judoca Paula Pareto e os velejadores Santiago Lange e Cecilia Carranza Saroli fizeram o Rio ouvir o hino argentino, ao passo que o tenista Juan Martin del Potro subiu ao segundo lugar mais alto do pódio.

"Fizemos uma Olimpíada como há muitas décadas não fazíamos", disse o presidente do Comitê Olímpico Argentino, Geraldo Werthein, a uma rádio local. "As três medalhas de ouro foram dadas em esportes em que trabalhamos muito", acrescentou.

A surpresa maior foi no hóquei. "Los Leones", como são chamados os atletas da seleção, chegaram ao Brasil em segundo plano, com seus pares da seleção feminina em evidência muito maior.

No entanto, "Las Leonas" se despediram do torneio nas quartas de final, enquanto os homens avançavam silenciosamente. A goleada por 5 a 2 na Alemanha nas semis e a vitória por 4 a 2 sobre a Bélgica na final foram os rugidos mais fortes de "Los Leones", cujo principal nome foi Gonzalo Peillat, artilheiro do torneio com 11 gols.

A atuação de Del Potro no tênis masculino de simples também foi impactante. O argentino venceu o número um do mundo, o sérvio Novak Djokovic, logo na primeira rodada, e despachou o espanhol Rafael Nadal nas semifinais.

Del Potro, que já chegou a cogitar a possibilidade de se aposentar das quadras devido a dores no pulso esquerdo, esteve próximo de um quinto set na final contra Andy Murray, que o tirou a medalha de ouro mas não manchou a importância de uma medalha prateada que foi como uma ressurreição para o argentino. 

Os outros dois ouros argentinos chegaram em modalidades menos populares. Na vela, na prova do Nacra 17 misto, Lange e Carranza Saroli fizeram uma ótima regata da medalha, ainda que com muitas dificuldades. Lange, de 54 anos, superou um câncer que lhe custou a remoção de parte de um dos pulmões.    Continuação...

 
Argentina comemora ouro no hóquei sobre grama.   18/08/2016.   REUTERS/Vasily Fedosenko