Fim da Rio 2016: de volta à realidade e às preocupações econômicas e políticas

segunda-feira, 22 de agosto de 2016 18:41 BRT
 

Por Paulo Prada

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Até agora, os brasileiros tinham algo a esperar. Apesar de uma recessão histórica, do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff e da operação Lava Jato, a Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016 surgia no horizonte como um derradeiro raio de luz vindo de uma era mais brilhante em que o Brasil parecia estar com a casa em ordem.

    Após a cerimônia de encerramento de domingo, no entanto, o apagar da chama olímpica pode ter sido o término de um capítulo da história brasileira –e o início de um período no qual o maior país da América Latina, agora com seus sonhos abatidos, se vê mais uma vez muito aquém de seu potencial econômico e político.

    "Já não tem mais nada para disfarçar a dura realidade do Brasil agora", disse o cientista político e professor da Unicamp Roberto Romano. "Essa ideia grandiosa em que muitos acreditavam até há pouco não tem mais nada que a sustente".

    A ideia grandiosa era a de que o Brasil, após quase uma década de crescimento econômico que tirou mais de 30 milhões de pessoas da pobreza, finalmente estava no patamar a que pertence. A Rio 2016 e a Copa do Mundo de 2014 deveriam servir para ilustrar sua chegada ao grande palco global.

Em vez disso, a economia do país e o governo petista que presidiu essa ascensão começaram a desmoronar quase em consonância com esses grandes eventos, fazendo com que se desenrolassem apesar das circunstâncias, não por causa delas.

É certo que os Jogos tiveram seus tropeços –desde a água verde na piscina dos saltos ornamentais a uma câmera que se soltou de um cabo guia, ao escândalo internacional do falso assalto à mão armada do nadador norte-americano Ryan Lochte.

E os questionamentos a respeito da suposta corrupção nos contratos de infraestrutura e de construção dos locais de competição irão perdurar por anos, para não falar do preço final da Rio 2016, que deve ultrapassar a cifra de ao menos 40 bilhões de reais anunciada pelos organizadores.

Ainda assim, os Jogos transcorreram nos termos que muitos brasileiros haviam previsto: as competições aconteceriam tranquilamente e os problemas de segurança e logística, suavizados pelas férias, que reduziram o trânsito, e uma mobilização enorme de 85 mil policiais e soldados, não seriam muito piores do que o normal em uma cidade que é caótica mesmo em seus melhores dias.   Continuação...

 
Capacetes de taekwondo em arena usada durante a Olimpíada Rio 2016
17/08/2016 REUTERS/Issei Kato