Nadador americano Feigen diz ter omitido fatos da polícia do Rio para proteger colegas

quarta-feira, 24 de agosto de 2016 12:09 BRT
 

(Reuters) - O nadador norte-americano Jimmy Feigen pediu desculpas nesta quarta-feira por ter omitido detalhes essenciais quando disse à polícia do Rio de Janeiro que ele e colegas da equipe dos Estados Unidos tinham lidado com um homem armado durante os Jogos Olímpicos deste mês.

Em um comunicado publicado no site de uma firma de advocacia de Austin, no Texas, Feigen disse não ter contado à polícia que os nadadores urinaram atrás de um posto de gasolina ou que seu colega Ryan Lochte arrancou uma placa de propaganda de uma parede do posto.

"Percebo que cometi um erro ao omitir esses fatos. Estava tentando proteger meus colegas de equipe, e peço desculpas por isso", disse Feigen, de 26 anos.

As alegações iniciais dos atletas, que disseram ter sido assaltados à mão armada, constrangeram o Brasil, em meio a casos de assalto a turistas durante a Olimpíada, até a Polícia Civil carioca acusar Lochte, de 32 anos, de inventar a história para acobertar a vandalização do posto de combustível.

Em uma entrevista concedida à Rede Globo no sábado, Lochte disse lamentar ter exagerado em sua versão, mas afirmou não ter mentido.

Feigen disse que um homem apontou uma arma para ele no posto de gasolina e que na ocasião não sabia dizer se o indivíduo tinha ligação com o posto. Ele e o também nadador Gunnar Bentz lhe deram dinheiro, afirmou.

"Foi a primeira vez que me apontaram uma arma, e fiquei aterrorizado", disse.

Segundo a polícia, o homem que apontou a arma era um segurança do posto que cobrou dos nadadores que pagassem pelos danos no local.

As autoridades brasileiras devolveram o passaporte de Feigen e permitiram que ele deixasse o país depois de pagar uma multa de 35 mil reais.   Continuação...

 
Nadador dos EUA James Feigen durante uma competição em Barcelona. 01/08/2013 REUTERS/Albert Gea