Protesto de medalhista olímpico chama a atenção para distúrbios na Etiópia

quinta-feira, 25 de agosto de 2016 20:50 BRT
 

Por Sally Hayden e Tristan Martin

LONDRES (Thomson Reuters Foundation) - Quando o medalhista de prata na maratona, Feyisa Lilesa, completou a prova na Olimpíada do Rio, ele cruzou os braços sobre a cabeça, fazendo um “x”, um sinal de protesto contra o tratamento do seu povo, a etnia oromo, pelo governo da Etiópia.

O corredor não voltou para casa depois dos Jogos, temendo pela sua segurança, apesar de o governo ter dito que ele não seria punido.

"(Eu sabia que) seria preso ou morto. Se não, eu não teria nunca permissão para deixar o país ou para participar de qualquer competição ou corrida internacional”, declarou Lilesa à Thomson Reuters Foundation.

"Eu estou bastante certo que essas coisas aconteceriam comigo”, disse ele numa entrevista pelo Skype do Rio, onde ele continua, depois que o resto da delegação da Etiópia retornou na segunda-feira.

A região de Oromiya, casa de mais de 25 milhões de oromos, tem sido sofrido com meses de distúrbios por causa de direitos à terra e acusações de violações de direitos humanos.

Lilesa, de 26 anos, é um dos, segundo ativistas, milhares de etíopes que deixaram o país em meio à repressão contra manifestações provocadas pelo conflito em relação ao uso da terra.

A Human Rights Watch estima que 400 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança entre novembro e junho durante protestos causados pelos planos do governo de incluir partes de Oromiya dentro dos limites da capital Addis Ababa.

 
Feyisa Lilesa faz protesto durante a maratona no Rio.  21/08/2016.   REUTERS/Athit Perawongmetha