Blatter e Valcke enfrentam investigação da Fifa sobre salários

sexta-feira, 9 de setembro de 2016 10:26 BRT
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - O ex-presidente da Fifa Joseph Blatter e o ex-secretário-geral da entidade Jérôme Valcke, já suspensos do futebol por violações éticas, estão enfrentando uma nova investigação, desta vez a respeito de salários e bônus que receberam no exercício de suas funções.

O comitê de ética da Fifa disse que seus investigadores iniciaram procedimentos formais contra os dois ex-dirigentes, além do ex-diretor financeiro Markus Kattner, por possíveis violações éticas que incluem "suborno e corrupção".

A instância disse que as supostas violações ocorreram "no contexto de salários e bônus pagos ao senhor Blatter, ao senhor Valcke e ao senhor Kattner, além de outras provisões incluídas nos contratos destes três indivíduos".

Eles também são suspeitos de terem violado regras ligadas a conduta geral, lealdade, conflitos de interesse e "oferecer e aceitar presentes e outros benefícios".

Não foi possível obter comentários de Blatter, Valcke e Kattner de imediato, embora no passado os três tenham negado qualquer irregularidade.

Em junho a Fifa comunicou que uma investigação interna revelou que os três dirigentes receberam o equivalente a 81 milhões de dólares em compensação ao longo de cinco anos, o que classificou como "recompensas enormes".

Blatter, que comandou a entidade reguladora do futebol mundial entre 1998 e 2015, foi banido por seis anos após uma apelação.        

O afastamento foi imposto por violações éticas relacionadas a um pagamento de dois milhões de francos suíços feito pela Fifa ao então chefe do futebol europeu, Michel Platini, com a aprovação de Blatter, em 2011 por trabalhos realizados uma década antes.

Valcke foi demitido em janeiro e suspenso por 10 anos por violações éticas que incluíram usar despesas da Fifa para viagens de passeio e destruição de provas.

 
Ex-presidente da Fifa Joseph Blatter.    25/08/2016            REUTERS/Pierre Albouy