Comitê Rio 2016 diz que fechará contas sem déficit após receber ajuda federal e municipal

segunda-feira, 19 de setembro de 2016 18:41 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Comitê Rio 2016, responsável pela organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, vai fechar as contas sem déficit, disseram nesta segunda-feira diretores da entidade, que precisou receber um socorro financeiro de última hora do governo federal e da Prefeitura do Rio.

Segundo o diretor-geral do Rio 2016, Sidney Levy, as contas dos Jogos, que só devem ser apresentadas em meados do ano que vem ao Comitê Olímpico Internacional (COI), mostrarão um equilíbrio. Antes disso, as contas do comitê serão apreciadas pelos conselhos internos e analisadas por auditores externos.

“O que eu posso garantir é que o comitê fechará rigorosamente dentro do orçamento planejado há sete anos”, disse Levy à Reuters.

Outro diretor do Rio 2016, Mário Andrada, da área de Comunicação e principal porta-voz do órgão, destacou que o equilíbrio das contas será alcançado graças à ajuda emergencial recebida pelos Jogos.

Pouco antes da Paralimpíada deste mês, o governo federal usou empresas públicas como Petrobras, Caixa e Embratur para ajudar o comitê e injetar cerca de 100 milhões de reais através de cotas de patrocínio, enquanto a Prefeitura do Rio viabilizou outros 150 milhões de reais em apoio.

“O comitê vai fechar no zero a zero. É óbvio. Não vai ter déficit, com orçamento equilibrado, ou seja, receitas iguais a despesas”, disse Andrada a jornalistas. Segundo ele, cerca 30 milhões de reais do montante de ajuda dos governos foram usados até agora, e o restante deve ser utilizado para alcançar o equilíbrio das contas.

“Agora temos um bolo de contas e coisas a pagar. Estamos olhando tudo isso e não imaginamos que vamos precisar nada além do que já foi discutido. Os Jogos acabaram e não há despesas novas”, acrescentou.

Em uma entrevista coletiva para fazer um balanço dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos nesta segunda-feira, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, destacou que o socorro financeiro dos governos foi pequeno diante dos gastos dos Jogos.

De acordo o prefeito, mesmo o "boom" de última hora na venda de ingressos da Paralimpíada não seria suficiente para arcar com as despesas do evento. Ao todo foram vendidos cerca de 2,1 milhões de bilhetes de um total de 2,5 milhões.   Continuação...

 
Presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, na cerimônia de encerramento dos Jogos Paralímpicos. 18/09/2016 REUTERS/Ricardo Moraes