Chefe do COI diz que eventos de 2020 deveriam ser realizados em zona de desastres

quarta-feira, 19 de outubro de 2016 13:06 BRST
 

Por Elaine Lies

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, propôs que alguns eventos da Olimpíada de Tóquio de 2020 sejam realizados na região nordeste, devastada por um terremoto seguido de tsunami que causou um desastre nuclear em 2011.

A proposta olímpica de Tóquio prometia que cerca de 80 por cento dos eventos seriam realizados a até 8 quilômetros da vila dos atletas, no centro da capital do Japão, mas os esforços para conter os gastos crescentes já forçaram a transferência de vários locais de competição para fora da cidade.

Um estudo de gastos encomendado pela governadora de Tóquio, Yuriko Koike, propôs transferir as competições de remo e canoa/caiaque de velocidade para cerca de 400 quilômetros ao norte de Tóquio, em uma das áreas afetadas, de forma a aproveitar instalações já existentes, mas isso foi recusado por organizadores e autoridades esportivas por exigir demais dos atletas envolvidos.

Os organizadores da Olimpíada já cogitaram realizar um jogo de beisebol ou softball no município de Fukushima, atingido pelo pior acidente nuclear desde Chernobyl, mas Bach disse a repórteres após um encontro com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que outros esportes também podem ser incluídos.

"Debatemos a ideia... de realizar alguns eventos dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 nas áreas afetadas pelo desastre de forma a contribuir para a regeneração da área, e também para enviar uma mensagem de confiança e esperança ao povo de lá", acrescentou.

O duo beisebol e softball, retirado da Olimpíada depois de Pequim 2008, é um de cinco esportes a serem acrescentados nos Jogos de Tóquio.