Equatoriano Guerrón é vítima de racismo na Espanha, diz árbitro

segunda-feira, 1 de setembro de 2008 17:21 BRT
 

MADRI (Reuters) - O atacante equatoriano Joffre Guerrón, do Getafe, sofreu insultos racistas na partida de domingo entre sua equipe e o Sporting de Gijón pelo Campeonato Espanhol, afirmou o árbitro do jogo na súmula.

"Durante os primeiros minutos do segundo tempo foram escutados, nos momentos em que a bola era disputada pelo jogador número 16 do Getafe, Guerrón, gritos racistas vindos claramente da região da arquibancada onde ficam os seguidores da torcida 'Ultra Boys"', disse Alfonso Pérez Burrull na súmula da partida.

"Aos 6 minutos do segundo tempo foram dadas instruções ao delegado de campo para que se dirigisse ao público pelos alto falantes para que cessassem os gritos racistas. Depois disso, o comportamento não foi repetido", acrescentou o árbitro.

Na segunda-feira, o companheiro de equipe do equatoriano Fabio Celestini mostrou desgosto pelo que ocorreu e disse que "há loucos em todos os lugares", indicando que Guerrón, campeão da Copa Libertadores deste ano pela LDU, não havia percebido o que acontecia.

"Não entendeu que eram para ele. Imagino que no seu país isso não acontece, e se ninguém lhe dissesse nada, não iria perceber. Claramente ele não havia escutado, mas são coisas que acontecem. Não se pode expulsar 1.000 pessoas. Não é possível fazer nada", disse em declarações ao diário esportivo espanhol Marca.

"Guerrón teve uma atitude perfeita durante toda a partida, não fez nada de mau, só veio jogar a partida. Como tem uma cor diferente, a torcida se agita. Não tem solução. Expulsar 500 pessoas é pura loucura", acrescentou o suíço.

O Getafe venceu por 2 x 1 a partida de domingo em Gijón, em encontro pela primeira rodada da Campeonato Espanhol da temporada 2008/09.