Mosley enfrentará julgamento depois de escândalo sexual

segunda-feira, 2 de junho de 2008 15:28 BRT
 

Por Alan Baldwin

PARIS (Reuters) - A entidade que comanda a Fórmula 1 decidirá na terça-feira se o atual presidente Max Mosley pode permanecer no cargo depois de um escândalo sexual que sacudiu o esporte.

Um porta-voz da Federação Internacional de Automobilismo confirmou nesta segunda-feira que o destino do britânico de 68 anos será decidido em uma votação secreta.

Associações de esportes motorizados e clubes de 96 países terão 177 votos no julgamento, incluindo 19 por procuração, no que pode ser um apimentado encontro extraordinário da assembléia geral da FIA.

O número total de membros da Federação é de aproximadamente 222, mas clubes que não pagaram suas obrigações não poderão votar.

O procedimento é complicado pois alguns votos são divididos. A britânica RAC, a AA e o Caravan Club, por exemplo, têm um terço de voto cada, com o voto inteiro contando apenas no caso de unanimidade.

Uma pesquisa no Jornal britânico Guardian na qual foram consultados 100 dos clubes afiliados, mostrou que 37 por cento querem que Mosley se afaste, 25 por cento não querem sua resignação e 29 por cento se recusaram a comentar suas intenções. O restante estava indeciso ou inapto a votar.

O diretor comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, que pediu abertamente no fim de semana para que Mosley deixasse o cargo, pode ter um papel importante em convencer os indecisos, mas Mosley tem uma grande rede de aliados.

 
<p>Mosley enfrentar&aacute; julgamento depois de esc&acirc;ndalo sexual. Max Mosley em sess&atilde;o de treinos da F&oacute;rmula 1 em M&ocirc;naco. A FIA decidir&aacute; se o atual presidente pode permanecer no cargo depois de um esc&acirc;ndalo sexual que sacudiu o esporte. 22 de maio. Photo by Stefano Rellandini</p>