França alerta organizadores do Dacar sobre riscos na Mauritânia

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008 14:53 BRST
 

PARIS (Reuters) - A França alertou os organizadores do Rali Dacar contra a realização de etapas na Mauritânia, após quatro turistas franceses terem sido mortos no mês passado no país africano, disse o porta-voz do governo francês, Laurent Wauquiez, nesta quinta-feira.

Três homens, que as autoridades suspeitam ser membros da Al Qaeda, mataram a tiros quatro turistas franceses e feriram um quinto enquanto eles faziam um piquenique à margem de uma estrada no sul do país, próximo à fronteira com o Senegal, na véspera do Natal.

Homens armados mataram três soldados três dias depois em uma região afastada e pouco povoada ao norte do país, na fronteira com Argélia e Marrocos, no deserto do Saara.

A França desde então emitiu um alerta a seus cidadãos para não viajaram à Mauritânia porque "o risco de terrorismo" não pode ser descartado.

O Rali Dacar começa em Portugal no sábado, e deve passar pela Mauritânia em 11 de janeiro.

"Os organizadores do rali foram informados dos riscos durante uma reunião no Ministério de Relações Exteriores e Européias", disse o porta-voz Wauquiez em entrevista coletiva.

"O ministério aconselha firmemente toda a população francesa a não viajar à Mauritânia até notificação futura. Isso vale para todos os franceses, assim como para a organização do rali Lisboa-Dacar", acrescentou.

Os ataques separados do mês passado abalaram o país do oeste africano, que se prepara para receber etapas do rali, que todo ano aumenta significativamente o incipiente turismo na região.

Uma promessa de 3.000 agentes de segurança foi considerada suficiente pelo chefe de segurança do rali, que deu luz verde à realização das etapas na Mauritânia.

Etapas programados para acontecer ano passado no Mali foram canceladas após os serviços de segurança da França terem reportado ameaça de rebeldes argelinos.

(Reportagem de Emmanuel Jarry)