COI vai rever desfile da tocha após protestos

terça-feira, 5 de agosto de 2008 01:04 BRT
 

Por Karolos Grohmann

Pequim (Reuters) - O Comitê Olímpico Internacional vai rever o desfile da tocha olímpica depois que violentos protestos marcaram a passagem da chama dos Jogos de Pequim, afirmou o presidente da entidade nesta segunda-feira.

Jacques Rogge disse que o comitê executivo vai revisar o modo de promover o desfile da tocha, mas descartou terminar com essa antiga tradição dos Jogos.

"O desfile da tocha atrai a mídia e a cobertura da mídia atrai manifestantes", disse Rogge para sua organização na abertura da 120a. sessão do COI.

A fase internacional do desfile da tocha olímpica dos Jogos de Pequim foi marcada por protestos contra o desrespeito aos direitos humanos na China e contra a política do país para as regiões do Tibet e Darfur.

Esses eventos enfureceram o COI, que acusou os manifestantes de usarem um símbolo da paz para destacar questões políticas que nada têm a ver com o evento esportivo.

Os protestos começaram em Olímpia, na Grécia, na tradicional cerimônia de acendimento da tocha no local onde eram realizados os Jogos na antiguidade, com manifestantes protestando a poucos metros dos dirigentes chineses durante a transmissão do evento para todo o mundo.

Os protestos tiveram sequência em Londres, Paris e outras cidades por onde a tocha passou, até chegar à China, onde os problemas terminaram.

"É um engano pensar que eliminar a parte internacional do desfile da tocha fará todos os problemas desaparecerem", disse Rogge.

O desfile da chama olímpica, acesa em Olímpia, na Grécia e passada de tocha em tocha por milhares de corredores foi adotado antes dos Jogos de Berlim, em 1936.

 
<p>Jacques Rogge, presidente do Comit&ecirc; OI&iacute;mpico Internacional, fala na abertura da 120a.sess&atilde;o da entidade, realizada em hotel de Pequim. Photo by Gil Cohen Magen</p>