Handebol informa dias depois corte de armador por doping

terça-feira, 5 de agosto de 2008 03:41 BRT
 

Por Marcelo Teixeira

PEQUIM (Reuters) - A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) informou nesta terça-feira, de forma tardia e confusa, o corte por doping do jogador Jaqson Luiz Kojoroski, armador-esquerdo do time masculino.

Jaqson não está em Pequim e nem entrou na relação final dos atletas enviada pela CBHb ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que a encaminhou à organização dos Jogos em 27 de julho.

Mas ele estava nos planos do técnico Jordi Ribera Romans e havia seguido com o time para o período de aclimatação no Japão. O nome do armador também aparece no guia do COB para os Jogos, que foi impresso um pouco antes da lista final ser definida.

A confederação informou que Jaqson seria substituído pelo pivô Alexandre Rodrigues. No entanto, mudanças por doping não são permitidas nas Olimpíadas. Apenas por lesão.

O COB comentou o assunto em nota, dizendo apenas que o armador já não constava da lista para a Olimpíada. Mais tarde, divulgou um segundo comunicado, informando que a ida do pivô Alexandre está relacionada ao afastamento por lesão do armador Gustavo Cardoso.

"O Bocog (comitê organizador) aceitou na segunda-feira, dia 4, a inscrição do pivô Alexandre Rodrigues, em substituição ao armador Gustavo Cardoso, lesionado no punho esquerdo", disse o comunicado do Comitê Olímpico Brasileiro.

O chefe da delegação de handebol em Pequim, Cássio Marques, afirmou que Jaqson pediu afastamento assim que ficou sabendo do doping e que viajou de volta ao Brasil, deixando o time no Japão, já no início da semana passada.

Ele não soube informar o tipo de substância detectada pelo exame e não quis comentar sobre a demora da confederação em informar o incidente.

"O presidente da CBHb (Manoel Luiz Oliveira) vai chegar daqui a dois dias e é melhor falar com ele", afirmou.

O time masculino de handebol do Brasil, ouro no Pan do Rio, ficou em décimo lugar na última Olimpíada, em Atenas, e estréia nos Jogos de Pequim no dia 10, contra a França.

 
<p>O time brasileiro de handebol ao chegar a Pequim  REUTERS. Photo by Carlos Barria</p>