Nadadora francesa Manaudou aprecia o anonimato em Pequim

quarta-feira, 6 de agosto de 2008 04:57 BRT
 

Por François Thomazeau

PEQUIM (Reuters) - Poucas pessoas reconhecem a nadadora francesa Laure Manaudou em Pequim. E é exatamente dessa forma que ela gosta.

Desde que se tornou campeã olímpica dos 400 metros livre em Atenas-2004, ela raramente conseguia ficar longe dos holofotes, uma vez que seu sucesso na água tem sido ofuscado por uma série de dramas pessoais.

"É ótimo ser invisível", disse Manaudou, que não é mais a favorita em sua prova principal depois de perder o título europeu e o recorde mundial para a italiana Federica Pellegrini, em março, em Eindhoven (HOL).

"Agora é a vez de Federica ser o foco de toda a atenção, de receber toda a pressão", disse ela. "Quando eu vou para a piscina, não sou mais a nadadora que todos esperam vencer", completou Laure, em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira.

Sua complicada vida amorosa -- ela também perdeu seu namorado, o nadador Luca Marin para Pellegrini -- rendeu manchetes durante todo o ano de 2007. Durante esse período, a nadadora se refugiou na Itália, retornando para a França apenas para trocar de técnico. Duas vezes.

"Mais coisas aconteceram comigo no último ano de que nos três que antecederam meu titulo olímpico. Eu realmente não sinto que estou defendendo o título. Quatro anos é muito tempo", disse.

Na preparação para a Olimpíada, Manaudou sofreu outro duro golpe ao ser batida nos 400m livre no Campeonato Francês pela jovem colega de equipe Coralie Balmy.

Sua foto, em lágrimas depois da prova, foi vista como outro sinal de sua queda.

"Eu não a vi chorar no Campeonato Francês, mas quando vi a foto no jornal, desejei que ela ficasse bem para os Jogos. Para mim, ela continua sendo a rainha dos 400 metros", disse Balmy.