Em Pequim, Bush segue falando em liberdade e direitos humanos

sexta-feira, 8 de agosto de 2008 00:14 BRT
 

Por Jeremy Pelofsky e Matt Spetalnick

PEQUIM (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, não perdeu tempo, nesta quinta-feira, para entrar ainda mais no delicado assunto da liberdade de religião e de expressão na China, poucas horas antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2008.

Apesar das queixas da China quanto a interferências em seus assuntos internos, ele usou uma cerimônia na embaixada americana em Pequim para dizer que a liberdade de expressão é o melhor caminho de promover a paz e prosperidade.

"Nós continuamos firmes em nossa crença de que todas as pessoas devem ter liberdade de dizer o que pensam e de venerar o que escolherem", disse Bush na embaixada.

"Acreditamos firmemente que as sociedades que permitem a livre expressão de idéias tendem a ser mais prósperas e pacíficas", disse o presidente americano após um almoço protocolar oferecido pelo presidente chinês Hu Jintao para líderes estrangeiros.

Bush tem sido criticado por ativistas de direitos humanos e alguns legisladores de seu país por ter ido para a abertura dos Jogos, argumentando que isso ofereceria credibilidade ao governo chinês, apesar de seu histórico na questão dos direitos humanos e religiosos.

Ele afirmou que foi à China principalmente para saudar os atletas americanos e que frequentemente tem francas conversas com os líderes chineses sobre liberdade religiosa e direitos humanos.

"A sinceridade é muito mais eficiente quando nações constróem um relacionamento de respeito e confiança", disse Bush. "Eu trabalhei duro para construir esse respeito e confiança. Admiro os líderes chineses que trabalharam duro para construir esse respeito e confiança."

 
<p>George W Bush e seu pai, o ex-presidente George Bush, na nova embaixada norte-americana em Pequim        REUTERS. Photo by Larry Downing</p>