Ativistas pelo Tibete são deportados após protestos em Pequim

quinta-feira, 7 de agosto de 2008 05:14 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Quatro estrangeiros que estenderam a bandeira do Tibete em protestos dramáticos no principal estádio olímpico da China foram deportados e devem chegar a seus países nesta quinta-feira, informou o grupo do qual os ativistas fazem parte.

Dois norte-americanos e dois britânicos, membros do grupos Estudantes pelo Tibete Livre abriram bandeiras tibetanas e cartazes declarando "Um Mundo, Um Sonho: Tibete Livre" e "O Tibete será livre", na quarta-feira, no primeiro grande protesto em Pequim antes dos Jogos.

Os americanos Phill Bartell e Tirian Mink foram colocados em um avião para São Francisco. Os britânicos Iain Thom e Lucy Marion foram deportados para Frankfurt e estavam voando para Londres, disse o grupo em um comunicado.

Bartell disse que ele e Thom escalaram um poste de energia perto da fortemente vigiada área do estádio Ninho de Pássaro. Ele queria colocar no centro das atenções a letal política do governo chinês com relação ao Tibete e a tentativa chinesa de usar a Olimpíada para encobrir seus abusos aos direitos humanos", segundo o comunicado.

"Uma vez que o governo chinês fez tudo o que tinha a seu alcance para silenciar as vozes no Tibete nesse momento crítico, é imperativo que os cidadãos do mundo se manifestem", disse Thom, segundo a nota.