Clubes europeus se opõem à regra "6+5" da Fifa

terça-feira, 8 de julho de 2008 17:13 BRT
 

Por Mark Ledsom

BERNA (Reuters) - A recém-formada Associação dos Clubes Europeus (ECA) utilizou sua primeira reunião para se opor à chamada regra do "6+5", controversa proposta da Fifa que visa restringir o número de jogadores estrangeiros nos times titulares.

A ECA afirmou em um comunicado nesta terça-feira que seus 103 membros haviam "fortemente apoiado a postura" tomada pelo presidente Karl-Heiz Rummenigge e pelo vice-presidente Joan Laporta depois de conversas no mês passado com o comissário da UE Vladimir Spidla.

"Na opinião da ECA, não há necessidade para uma regra '6+5'. Ao invés disso a organização apóia a proposta 'home-grown' da Uefa", disse a nota da entidade.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, já defendeu pessoalmente a proposta da regra "6+5", que limitaria os clubes a iniciarem suas partidas com apenas cinco jogadores estrangeiros.

Blatter argumenta que sua idéia poderia fortalecer as seleções nacionais e prevenir clubes ricos de contratarem os melhores jogadores internacionais.

A Uefa, que comanda o futebol europeu, já contra-argumentou repetidamente que a proposta entra em conflito com as leis trabalhistas da UE, que estabelecem o livre movimento de trabalhadores no bloco.

O plano da Uefa, o "home-grown", que já funciona na Liga dos Campeões, requer que o elenco dos times possua um número mínimo de jogadores treinados localmente.

Diferentemente das propostas da Fifa, a versão da Uefa não impõe restrições às nacionalidades dos jogadores.   Continuação...