ENTREVISTA-Vou chegar no recorde mundial, diz Cielo

quinta-feira, 8 de maio de 2008 18:13 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ao contrário do discurso moderado que normalmente toma conta dos atletas em preparação para competições importantes, o nadador César Cielo tem na autoconfiança declarada uma arma para atingir os objetivos que vê a sua frente.

O paulista de 21 anos vai disputar em Pequim a primeira Olimpíada da carreira. Apesar de estar em quinto lugar no ranking mundial, ele garante que vai brigar pelo recorde mundial dos 50 metros livre com o francês Alain Bernard e o australiano Eamon Sullivan -- que trocaram quebras neste ano.

O trio também deve repetir o duelo nos 100m, prova em que Cielo tem o terceiro melhor tempo de 2008, atrás dos rivais.

"Estou esperando uma briga muito dura na Olimpíada, não tenho mais dúvida de que estou indo para baixar bastante o meu tempo. Eu pretendo brigar com os melhores e lutar por uma medalha", disse o nadador, que conversou com a Reuters no intervalo das provas do Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira.

Pergunta: Você está hoje entre os melhores velocistas do mundo, como acha que será a disputa dessas provas na Olimpíada de Pequim?

Resposta: O cenário mudou um pouco ultimamente. Os americanos ficaram bem para trás da gente, agora são os franceses e o australiano que estão no topo da prova de livre, então vai ser uma briga dura. Sei que a gente está um pouquinho à frente dos outros, mas o australiano está um pouquinho à frente da gente também. Então ele deve ser o maior adversário na competição, mas acho que o psicológico vai fazer muita diferença.

P: Você é uma pessoa que demonstra ser bastante autoconfiante, de que forma isso ajuda nas competições?

R: Nós velocistas temos uma personalidade agressiva mesmo, aquela coisa de ficar bravo, ficar feliz, então eu não tento esconder não, acho que é a da minha natureza, essa autoconfiança, e isso pode me ajudar. Para mim funciona, eu não faço isso para tentar impressionar ninguém, é para mim mesmo, para chegar para nadar sabendo o que eu posso fazer.   Continuação...