Rio defende experiência de Pan e Copa em nova investida olímpica

terça-feira, 8 de janeiro de 2008 14:52 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A terceira campanha olímpica do Rio de Janeiro, apresentada nesta terça-feira, aposta na realização do Pan 2007 e na Copa do Mundo de 2014 como os principais pilares para provar ao COI que a cidade deixou de ser apenas "uma boa idéia" e agora tem capacidade de realizar o maior evento esportivo mundial.

A proximidade da Olimpíada com o Mundial da Fifa, vista pelos concorrentes aos Jogos Olímpicos de 2016 como ponto fraco da proposta brasileira, foi considerada pelos membros da candidatura como um trampolim para a realização do evento.

"O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) declarou que a Copa do Mundo ajuda o Rio 2016, eu também acho isso. Se algum adversário quiser utilizar isso para discutir, é natural, faz parte do jogo", afirmou o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e principal responsável pela pré-candidatura do Rio, Carlos Arthur Nuzman.

O COI advertiu formalmente a candidatura de Tóquio recentemente, após um diplomata japonês ter questionado a diferença de apenas dois anos entre a realização da Copa de 2014 no Brasil e os Jogos de 2016.

Mas tanto Nuzman quanto o prefeito do Rio, Cesar Maia, lembraram que outros países já viveram a mesma experiência, entre eles o México -- Olimpíada de 1968 na capital e Copa de 1970 -- e os EUA -- Copa de 94 e Olimpíada de Atlanta-96.

Além do Mundial, que foi confirmado pela Fifa no Brasil, o Pan-Americano realizado em julho do ano passado é considerado pelos membros da campanha como a prova de que o Brasil pode receber grandes eventos esportivos.

Considerada um sucesso pelos organizadores, a competição foi marcada por atrasos nas obras e estouro de orçamento. Só no último ano, com grande investimento do Governo Federal, foi possível a conclusão das instalações esportivas.

"Com os Jogos Pan-Americano, nós mudamos de status. Não vamos mais apresentar só boas idéias ao COI, eles verão o que nós já fizemos", afirmou Maia.   Continuação...