Renault garante que não usou dados da McLaren em seus carros

sexta-feira, 9 de novembro de 2007 15:20 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A Renault rebateu nesta sexta-feira as acusações de que teria espionado a McLaren e afirmou que seus carros não foram influenciados por nenhuma espécie de dados da equipe concorrente na Fórmula 1.

A escuderia bicampeã em 2005 e 2006 disse ainda que um ex-mecânico da McLaren que foi contratado pela equipe em setembro do ano passado foi suspenso assim que a Renault teve conhecimento de que ele havia levado informações técnicas confidencias consigo.

A Renault foi intimada na quinta-feira a depor pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) em uma audiência que será realizada em Mônaco, em 6 de dezembro. A equipe terá de apresentar explicações pela posse de dados da McLaren.

A própria McLaren foi suspensa do Mundial de Construtores deste ano e multada em 100 milhões de dólares por ter adquirido dados importantes da rival Ferrari.

A Renault informou que o funcionário suspenso se chama Phil Mackereth e afirmou que a equipe soube do problema em 6 de setembro, a quinta-feira anterior ao Grande Prêmio da Itália, em Monza.

Segundo a equipe, as informações estariam em "disquetes antigos e incluíam cópias de alguns desenhos mecânicos e planilhas técnicas da McLaren".

"Essa informação foi carregada a pedido do sr. Mackereth em seu diretório pessoal no sistema de arquivos da Renault F1 Team", afirmou a equipe. "Isso foi feito sem o conhecimento de nenhuma autoridade da equipe."

A Renault disse ainda que a informação foi apagada do sistema de computadores assim que a questão foi descoberta, e que a equipe iniciou uma investigação interna.

A McLaren e a FIA foram mantidas informadas durante todo o processo, e os discos foram impugnados e devolvidos à McLaren através de advogados, segundo a equipe.

A Renault disse ainda que o desenho de amortecedores da McLaren não teve valor para a equipe porque o sistema já havia sido declarado ilegal antes da chegada de Mackereth à equipe francesa.

 
<p>Piloto da Renault Giancarlo Fisichella durante treino livre para o Grande Pr&ecirc;mio da Fran&ccedil;a de F&oacute;rmula 1, em junho deste ano. A Renault rebateu nesta sexta-feira as acusa&ccedil;&otilde;es de que teria espionado a McLaren e afirmou que seus carros n&atilde;o foram influenciados por nenhuma esp&eacute;cie de dados da equipe rival. Photo by Regis Duvignau</p>