10 de Agosto de 2008 / às 11:26 / 9 anos atrás

Vôlei masculino estréia "nervoso" mas faz 3-0 no Egito

<p>T&eacute;cnico Bernardinho atr&aacute;s dos jogadores da sele&ccedil;&atilde;o brasileira de v&ocirc;lei, durante a vit&oacute;ria por 3 sets a 0 sobre o Egito, na estr&eacute;ia da equipe em Pequim, no domingo. Photo by Sergio Moraes</p>

Por Alberto Alerigi Jr.

PEQUIM (Reuters) - O Brasil iniciou a defesa do título olímpico do vôlei masculino nervoso em quadra pela estréia em Pequim, neste domingo, mas passou com facilidade pela seleção do Egito, que surpreendeu por sua capacidade defensiva.

Apesar da seleção egípcia ter equilibrado a partida em alguns momentos e até ter ficar na frente do marcador no segundo set, o Brasil confirmou sua técnica muito superior ao adversário e venceu por 25-19, 25-15 e 25-18.

"Treinamos uma vez só por aqui e acho que o pessoal estava meio nervoso por causa da estréia", afirmou o atacante Giba, capitão da seleção brasileira, que reclamou dos erros de ataques e contra-ataques do Brasil.

"A primeira partida é sempre muito nervosa, mas acho que precisamos melhorar os fundamentos. Creio que jogamos bem no bloqueio", acrescentou ele, que deve ser pai pela segunda vez durante a Olimpíada.

O nervosismo, segundo os jogadores, não teve qualquer relação com o desentendimento entre o técnico Bernardinho, seu filho Bruno e o meio-de-rede Gustavo durante o primeiro treino da seleção no Capital Gymnasium de Pequim, na quinta-feira. A equipe garantiu que o incidente já ficou para trás.

"Isso é normal, tudo mundo sabe que somos assim para nos motivar a cumprir nossas metas. Fizeram um caso muito grande sobre isso", afirmou o treinador em coletiva à imprensa depois da vitória.

O Egito, adversário visto pela seleção como ideal para a estréia olímpica depois das duas derrotas seguidas na fase final da Liga Mundial, no Rio, antes dos Jogos, não apresentou resistência no primeiro set, e o Brasil chegou a abrir vantagem de seis pontos logo no início da parcial.

O segundo set começou muito equilibrado, com erros de ataques de ambos os times, mas com belas defesas do líbero do Egito, Wael Alaydy, que defendeu fortes ataques de Dante. O Brasil depois se impôs para fechar com ampla margem de 10 pontos.

O set final foi marcado pelo domínio da equipe brasileira, e Bernardinho aproveitou para trocar jogadores. Colocou Rodrigão no lugar de André Heller para reforçar o bloqueio e promoveu a estréia olímpica do levantador Bruno, que entrou para sacar quando o marcador estava em 15 a 12.

"Essa é a Olimpíada do equilíbrio, e agora nós precisamos de atenção redobrada contra a Sérvia", afirmou Bernardinho.

"Não existe mais nenhum bobo no voleibol mundial, o pessoal tem um nível alto. Foi um pouco estranho abrir 6 a 0 no começo", acrescentou o técnico, repetindo o bordão que ficou famoso no futebol.

O próximo jogo do Brasil na Olimpíada é contra a Sérvia, vice-campeã da Liga Mundial, no dia 12. Brasil e Sérvia já se enfrentaram quatro vezes este ano. "As próximas partidas são as mais fortes que teremos. Precisamos consertar nosso contra-ataque, que não funcionou por nada hoje. Temos que jogar focados como fizemos nos primeiros oito pontos", afirmou Giba.

Edição de Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below