Cresce o número de atletas muçulmanas com véus na Olimpíada

segunda-feira, 11 de agosto de 2008 01:20 BRT
 

Por Catherine Bremer

PEQUIM (Reuters) - As mulheres da cidade de Roqaya Al Ghasara, no Bahrain, estão tão orgulhosas de sua velocista pioneira em Olimpíada que algumas delas se juntaram para desenhar o molde e costurar um conjunto de véus "aerodinâmicos" para ela correr.

A esgrimista egípcia Shaimaa El Gammal, em sua terceira Olimpíada, colocará o aparato de cabeça islâmico em Pequim pela primeira vez. Ela diz ser um símbolo que mostra que atingiu a maioridade, e que se sente mais forte que nunca.

Estes Jogos Olímpicos verão uma considerável quantidade de atletas com véu, determinadas a evitar ofensas ao islamismo e problemas na volta para casa.

Duas delas, Al Ghasara, do Bahrain, e Homa Hosseini, do Irã, tiveram a honra de ser porta-bandeiras de seus países no desfile de atletas da cerimônia de abertura.

"O 'hijab' nunca foi um problema para mim. No Bahrain, nós crescemos usando...", disse Al Ghasara, com um boné branco em cima do véu que cobre seus cabelos e o pescoço. A roupa folgada que usa para correr só expõe seu rosto e mãos.

"Agora são mais mulheres no esporte de países como Qatar e Kuwait. Você pode escolher usar hijab, ou não. Para mim, é libertador", acrescentou Al Ghasara, cujos véus para correr são em vermelho ou branco, as cores do Bahrain.

Desde que começaram a aparecer, algumas décadas atrás, véus em Olimpíadas chamam atenção.

Este ano, uma impressionante meia dúzia de atletas do Egito, três do Irã, uma do Afeganistão e uma do Iêmen competirão com cabeças cobertas como Al Ghasara. Elas dizem que querem inspirar outras mulheres em seus países para que quebrem o preconceito de estereótipos muçulmanos.   Continuação...