Teixeira garante que Brasil não enfrenta Bolívia em La Paz

sexta-feira, 11 de abril de 2008 10:59 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, afirmou que a seleção brasileira vai acatar a orientação da Fifa e não jogará contra a Bolívia em La Paz, a 3.600 metros de altitude, pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010.

A afirmação do dirigente ratifica a posição tomada pelo Brasil durante a última reunião da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), este mês, quando Teixeira se negou a assinar uma declaração de apoio dos presidentes das federações de futebol da América do Sul à Bolívia ante a proibição da Fifa para jogos acima de 2.750 metros.

"O Brasil não joga com a Bolívia em La Paz com base no que foi determinado no Comitê Executivo da Fifa", disse Teixeira a jornalistas na noite de quinta-feira. "Como a decisão não vai ser mudada, a CBF não levará o Brasil para La Paz", acrescentou o dirigente.

O Comitê Executivo da Fifa estabeleceu 2.750 metros como limite máximo para a realização de partidas entre seleções organizadas pela entidade internacional. Para que os jogos possam ser realizados acima dessa altitude, a Fifa exige que haja uma aclimatação prévia dos jogadores para enfrentar os efeitos nocivos da altitude sobre o corpo humano.

"Isso não foi uma decisão de graça. Foi uma decisão respaldada por pareceres médicos", disse Teixeira. "Não podemos colocar em risco de saúde os nossos jogadores. É um assunto que precisa ser encarado com responsabilidade."

A Bolívia comanda uma campanha contra a medida da Fifa de proibir a disputa de jogos a mais de 2.750 metros acima do nível do mar sem uma aclimatação prévia. A decisão afeta a cidades de México, Peru, Colômbia e Equador.

A partida entre Brasil e Bolívia pelas eliminatórias do Mundial da África do Sul está marcada para outubro do ano que vem, por enquanto na cidade de La Paz.

A Conmebol confirmou neste mês que a seleção do Chile aceitou jogar em La Paz pelas eliminatórias, mas fará uma adaptação à altura de 15 dias, cumprindo a determinação da Fifa.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)